Fim do emissor gratuito de NF-e, obrigatoriedade do Bloco K e adoção do eSocial: o que esperar para 2017

Fim do emissor gratuito de NF-e, obrigatoriedade do Bloco K e adoção do eSocial: o que esperar para 2017

O próximo ano promete inúmeras mudanças nas rotinas administrativas, fiscais e tributárias das empresas brasileiras – e, independentemente do porte, as novas obrigações impactarão grande parte (senão todas) das entidades.

As mais recentes transformações incluem o fim do emissor gratuito de NF-e, a obrigatoriedade no envio do Bloco K e a adoção do eSocial. Todas as exigências demandarão, em maior ou menor escala, a adequação de processos, rotinas e ferramentas para que sejam cumpridas integralmente, evitando possíveis sanções e punições por inconformidade.

Por se tratarem de processos complexos, os quais invariavelmente afetam mais de uma área do negócio, não é prudente deixar os ajustes para última hora. Com a chegada do novo ano, é importante que os gestores estejam cientes das mudanças e preparem-se para atendê-las.

Para aprofundar os temas, aproveite para consultar conteúdos que explicam as novas exigências e sinalizam alternativas para que sejam cumpridas com segurança.

 

A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (SEFAZ-SP) informou que, a partir de 1º de janeiro de 2017, os aplicativos gratuitos para emissão da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) serão descontinuados.

 

TEXTO | Emissor gratuito de NF-e será descontinuado em 2017: é hora de buscar alternativas

 

O Bloco K é parte da EFD (escrituração fiscal digital) e consiste no livro de registro de controle da produção e do estoque digital, obrigatório a partir de janeiro de 2017 (ou 2018/2019, dependendo do faturamento da indústria). A ferramenta, portanto, trata diretamente da produção – ainda hoje é um ponto sensível para as indústrias frente ao Fisco.

 

e-Book | Bloco K: saiba o que muda com a obrigatoriedade de entrega

 

O eSocial é uma iniciativa do Governo Federal – mas que também envolve a Receita Federal, o Ministério do Trabalho, o INSS e a Caixa Econômica Federal – e objetiva unificar o envio de informações pelo empregador em relação aos seus empregados. Embora a data da obrigatoriedade tenha sido adiada para 2018, as adequações precisam ser feitas ainda em 2017.

 

TEXTO | eSocial: o que é e como se preparar

 

O Areco ERP está totalmente preparado para atender às novas obrigatoriedades previstas para vigorar a partir de 2017. Além disso, o software automatiza processos, elimina retrabalho e minimiza as chances de erro nas atividades cotidianas. O Areco ERP é multi-moedas, multi-empresas e multi-idiomas, reunindo uma gama ampla de relatórios e telas gerenciais. As atualizações do sistema são automáticas e contemplam todas as Legislações Federais e Estaduais sem custos adicionais. Tudo isso com implantação em tempo recorde e o melhor custo x benefício do mercado.

 

diferenciais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *