4 dicas para reduzir custos na indústria de cosméticos

4 dicas para reduzir custos na indústria de cosméticos

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Reduzir custos na indústria de cosméticos é um dos maiores desafios da gestão. Não basta, porém, eliminar obrigações financeiras sem, antes disso, avaliar o impacto do corte na performance da operação. É preciso entender as demandas corporativas, identificar os eventuais gargalos e, só então, tomar medidas coerentes para otimizar os recursos.

O método mais confiável é, sem dúvida, a análise de relatórios, balanços e dashboards. Ao extrair dados internos, organizando-os em filtros customizados e alinhados à visão desejada, o gestor tem acesso a uma radiografia completa de seus processos, validando resultados em todas as esferas da operação — do chão de fábrica ao fiscal.

Com isso em mãos, a estratégia de redução de custos ganha forma e consistência, maximizando o êxito dos ajustes e evitando impactos negativos nas rotinas. Confira, agora, as principais dicas para cortar despesas com mais segurança e efetividade!

Padronização de processos para reduzir custos na indústria de cosméticos

Padronizar processos significa minimizar desvios. Quando se trata de uma estrutura empresarial, esse tipo de movimento contribui para evitar transtornos e prejuízos, mantendo as operações sob controle. É fácil entender o porquê: com um fluxo predefinido de ações sempre à mão, os profissionais não precisam refletir sobre cada etapa do processo, o que acelera as entregas e assegura a qualidade dos itens acabados.

A padronização permite, ainda, a uniformidade dos acompanhamentos gerenciais. Ao estabelecer critérios na produção, por exemplo, é possível fixar modelos de análise e manter a correlação dos relatórios. Se, a cada turno, são produzidas duas mil unidades de determinado creme, o sinal de alerta soará se, certo dia, a produção no período cair para mil frascos.

Em situações assim, a resposta deve ser rápida e assertiva. É provável que haja algum problema nas máquinas ou, então, que a matéria-prima necessária tenha se esgotado. Em ambos os casos, surge a evidência de problemas no planejamento ou na execução dos processos, despertando a necessidade de repensar as diretrizes da empresa.

Otimização de compras

O departamento de Compras tem uma missão estratégia na indústria de cosméticos: negociar os melhores insumos pelos melhores preços, reduzindo custos com reposição de materiais.

Muito embora o trabalho seja, de fato, desafiador, há uma boa notícia. A tecnologia de gestão pode ajudar, assegurando que todos os dados necessários às táticas de reabastecimento estejam à disposição do analista, responsável por perseguir (e garantir) condições mais atrativas.

É possível, por exemplo, consultar o histórico de demanda sazonal para corroborar a estratégia de compras. Aumentando ou reduzindo o pedido de acordo com as expectativas de venda. Além disso, o IQF (Índice de Qualidade do Fornecedor), calculado por meio de critérios de excelência, fornece insights valiosos para que os profissionais priorizem a parceria com empresas confiáveis, capazes de cumprir com os prazos estabelecidos e de entregar materiais de qualidade, assim cooperando para reduzir custos na indústria de cosméticos.

Outro recurso importante aos compradores é o ressuprimento automático. A ferramenta automatiza a emissão de Ordens de Compra de acordo com a notificação sistêmica de baixas no estoque, solicitando orçamentos e acelerando a reposição do estoque. Ao capital humano, cabe, portanto, a tarefa mais estratégica: negociar condições de forma a otimizar os custos.

Controle de qualidade

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é o órgão que regula e fiscaliza a produção de cosméticos. O primeiro passo para o controle de qualidade é obedecer às normas da instituição, fornecendo todos os laudos necessários.

O ERP, enquanto sistema integrado de gestão, é aderente às indústrias de cosméticos e favorece a emissão dos laudos exigidos pela ANVISA. O software também personaliza a engenharia de produtos, detalhando processos e materiais de modo a otimizar a utilização de recursos — sejam eles físicos, financeiros ou humanos. Evitando, assim, desperdícios ao longo de toda a linha produtiva.

Ainda que a confirmação da qualidade seja a última etapa da produção, liberando o lote para armazenagem interna até que haja a separação de venda, a verificação da conformidade não deve ser encarada como uma atividade isolada. Pelo contrário! Do componente vegetal à embalagem do creme, todos os insumos, bem como as combinações subsequentes, devem ser submetidos a um olhar rígido de qualidade, impedindo que os prejuízos se acumulem ao fim da cadeia.

A redução de custos perpassa, é claro, pela maximização dos recursos. Não basta eliminar despesas pontuais para reduzir custos na indústria de cosméticos, tais como treinamentos extras e fretes especiais, e esquecer a torneira aberta no chão de fábrica. Os relatórios globais, gerados a partir do ERP, facilitam a identificação de gargalos e endossam a postura necessária para repará-los de imediato.

Acompanhamento de estoque para reduzir custos na indústria de cosméticos

A boa gestão do estoque é essencial a qualquer empresa, independentemente do segmento em que atue. Na indústria de cosméticos, no entanto, a administração dos produtos acabados deve ser ainda mais cautelosa e eficiente: negligências e descuidos podem gerar prejuízos significativos — além de irrecuperáveis — aos cofres corporativos.

A própria natureza do produto explica a particularidade da circunstância. Cosméticos têm prazo de validade e precisam chegar ao ponto de venda com certa antecedência, assegurando a saúde do giro de estoque do revendedor.

Para evitar perdas, é válido definir uma metodologia dinâmica de escoamento. O FEFO (first expire, first out), por exemplo, estabelece que a separação de pedidos deve seguir um critério específico: os que expiram primeiro. Ou seja, os itens com prazo de validade mais curto — devem ter prioridade.

Não basta, porém, implantar o método e esperar que ele seja espontaneamente seguido pela equipe, eximindo as lideranças da tarefa de viabilizar suporte integrado à atividade cotidiana. A melhor forma de viabilizar o cumprimento das normas é sistematizar todo o processo.

Na prática, o FEFO deve ser fixado como um padrão operacional no sistema de gestão. Dessa forma, a cada novo pedido de venda registrado, o software gera automaticamente a posição do produto que deve ser separado. Ao visualizar o número de prateleira e o lote do item, tudo o que precisa fazer é se dirigir ao estoque e encontrar o produto. Minimizando a incidência de erros, reduzindo perdas e favorecendo o giro de estoque mais lucrativo possível.

 

Atenção: se você está enfrentando problemas e acredita que o descontrole de custos pode ser o motivo do desequilíbrio no fluxo de caixa da sua indústria de cosméticos, é hora de expandir a sua visão estratégica. Agende uma consultoria gratuita e saiba como podemos ajudá-lo a superar os entraves da sua operação.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *