Quais são (e como resolver) os principais gargalos da linha de produção?

Quais são (e como resolver) os principais gargalos da linha de produção?

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Se comparada ao corpo humano, a linha de produção pode ser descrita como o coração de uma fábrica. Ali, todas as demais funções da indústria ganham direção e sentido, prolongando a saúde e a viabilidade da operação.

Quando há algum desvio, porém, as consequências costumam ser graves — e impactar as demais unidades de negócio. Assim como o bom funcionamento do coração, em se tratando de biologia, assegura uma vida mais tranquila e produtiva, o alinhamento da produção garante resultados perenes e duradouros à companhia.

Fica evidente, portanto, que a sinergia da fábrica deve ser uma prioridade corporativa. Em um mercado cada vez mais competitivo, é preciso dispor de ferramentas ágeis e integradas, capazes de potencializar a performance e os indicadores da produção. A tecnologia desponta como a melhor alternativa gerencial.

 

O que é um gargalo de produção?

No dicionário, o termo “gargalo” ganha um sentido figurativo, referindo-se a um “obstáculo em algum processo; empecilho”. O significado é que se adapta perfeitamente ao ambiente empresarial, no qual entraves processuais podem causar transtornos e prejuízos.

A linha de produção é, sem dúvida, o cenário mais comum para os gargalos identificados nas indústrias, uma vez que estão diretamente relacionadas ao core business e acabam por afetar toda a estrutura corporativa.

No contexto empresarial, um gargalo produtivo pode ser descrito como um desvio específico em alguma das etapas do fluxo produtivo, dificultando o cumprimento de metas e dilapidando a produtividade das equipes.

Considerando a complexidade de uma linha de produção convencional, na qual uma sequência minuciosa de tarefas dá forma aos itens comercializados, fica fácil entender a relevância de manter uma observação atenta e de, caso algum problema seja relatado, agir proativamente para corrigi-lo o mais breve possível.

Na prática, portanto, o gargalo de produção deve ser entendido como uma barreira operacional, travando a execução das rotinas conforme o padrão previamente estabelecido.

Não seria equivocado dizer, ainda, que a ocorrência de falhas está geralmente associada a vulnerabilidades estratégicas, gerenciais e tecnológicas – e que todas elas são perigosas para a saúde do negócio.

 

Como identificar um gargalo na linha de produção?

As características de um gargalo produtivo confirmam a necessidade de preveni-lo e, caso ocorram, saná-los de imediato. O primeiro passo para uma operação cada vez mais produtiva e sinérgica é estabelecer procedimentos padronizados e criar mecanismos que mensurem as atividades em execução.

De forma geral, a identificação dos gargalos produtivos pode tomar duas formas distintas: uma delas, bastante prejudicial ao negócio; a outra, extremamente valiosa à competitividade.

Quando os gargalos são conhecidos de forma tardia, somente no momento da análise de resultados de ciclos longos (três ou seis meses, por exemplo), os prejuízos já foram registrados e, a respeito deles, há muito pouco a fazer.

Neste contexto, o caixa já foi fragilizado em função do desperdício de matéria-prima e da improdutividade dos recursos humanos, ambos bastante onerosos. A reversão é difícil, mas só pode ser plenamente orquestrada se contar com recursos de otimização e controle.

Há, porém, um modo mais assertivo de visualizar (e corrigir) os gargalos produtivos.

Ao dispor de dados consistentes e atualizados em tempo real — tais como painéis gerenciais —, os líderes podem monitorar o desempenho das máquinas e das equipes, minimizando a possibilidade de desvios.

Ao final do turno, por exemplo, também é possível extrair relatórios que condensem as informações operacionais e demonstrem indícios de irregularidades. Dessa forma, os impactos negativos são suavizados por meio da ação rápida e consistente, atingindo o foco do problema e contornando-o imediatamente.

A conclusão, portanto, é de que a identificação ágil dos gargalos de produção é uma exigência do mercado moderno e uma condição essencial à competitividade.

As indústrias bem-sucedidas são, sem dúvida, aquelas que conseguem utilizar informações e balanços internos a favor de suas operações e de seu processo de melhoria contínua.

 

Quais são os principais gargalos produtivos?

Independentemente do segmento ao qual se dedique, é comum que as indústrias apresentem semelhanças operacionais. Por consequência, os gargalos produtivos também são similares — o que, em certa medida, facilita o aprendizado e a evolução do setor — e podem ser categorizados com certa facilidade.

1. Falha na gestão de matéria-prima

A produção requer a disponibilidade de insumos, mas há muitos fatores complementares envolvidos na gestão de fornecedores e de matéria-prima.

Para evitar gargalos na produção diária ou semanal programada, por exemplo, é necessário manter uma relação de confiança com o parceiro, assegurando entregas no prazo e produtos de qualidade.

O não cumprimento de prazos na fábrica comprometem toda a cadeia de resultados da organização, já que a falta de produtos significa menos venda e entrega e, por consequência, menos margem de faturamento.

 

2. Falta de acompanhamento na produção

Por mais que haja uma padronização de processos na fábrica, sinalizando a sequência operacional ideal e as ferramentas necessárias a cada etapa, o acompanhamento continua desempenhando papel fundamental na produtividade da linha.

E não se trata apenas de um supervisor. A tecnologia de gestão permite a visualização em tempo real das atividades, contabilizando o tempo operacional de cada homem/máquina e projetando a capacidade produtiva.

A ausência de mecanismos de monitoramento implica em desconhecimento e em letargia de ação. E você sabe: o mercado não costuma ser complacente com falhas repetitivas.

 

3. Ausência de controle de estoque

Assim como a análise frequente da matéria-prima é imprescindível para o bom funcionamento da linha de produção, o controle de estoque é fundamental para garantir a lucratividade da operação.

Neste aspecto, é importante que os gestores se dediquem a verificar a demanda e a entender possíveis sazonalidades em seus segmentos, garantindo mais assertividade no controle produtivo.

Estoque inflado e com baixa saída é um grande risco à saúde financeira do negócio; afinal, a depreciação nos imobilizados da empresa, máquinas por exemplo, que estão produzindo produtos com baixa saída, afeta o custo da produção do item e pode transformar o lucro em prejuízo. Uma vez em que o estoque esteja parado, o resultado da empresa é prejudicado, já que o custo não pode ser revertido em venda.

 

Como é possível minimizá-los e resolvê-los?

Os gargalos apontados são relativamente comuns e é possível que um (ou mais) deles esteja afetando seus resultados agora mesmo. Vale a preocupação, é claro, mas a ação é ainda mais primordial.

Ao dispor de recursos eficientes, as lideranças corporativas são capazes de sanar problemas recorrentes e de maximizar a competitividade, alavancando a rentabilidade da fábrica. Dentre as ferramentas mais valiosas, destacam-se:

  • o mapeamento do processo de produção, relacionando e padronizando o encadeamento de atividade e quais recursos (insumos, máquinas etc) estão envolvidos em cada fase de operação;
  • a definição do processo mais eficaz (em linha, em lote ou em projeto, por exemplo), considerando as particularidades e os objetivos do negócio;
  • a implementação de KPIs (Key Performance Indicators), que funcionam como indicadores de avaliação e permitem a conferência rápida e eficaz, evidenciando a eventual necessidade de ajustes;
  • a criação (e a manutenção) de uma rotina assídua de acompanhamento, baseada em dados críveis e atualizados, empoderando gestores e decisões.
  • a programação da fábrica (plano mestre) é o que norteia tudo que será produzido, o tempo gasto, e a capacidade de atender o prazo de entrega, os insumos para a produzir e se os recursos serão suficientes.

Na prática, é preciso que os líderes empresariais enxerguem o potencial de suas linhas de produção e possam explorá-lo com foco e consistência. Para isso, a tecnologia de gestão é crucial, agindo como um catalisador das melhores práticas administrativas.

Os gargalos produtivos prejudicam a produtividade e comprometem a performance da companhia. Por isso, a missão de preveni-los deve ser uma prioridade — e um software integrado é a resposta para muitos dos problemas da fábrica.

O Areco ERP é um software robusto, integrado e atualizado. Há mais de 30 anos no mercado e com vasta experiência na gestão de indústrias, o ERP confere mais segurança e autonomia aos gestores, que conseguem identificar eventuais desvios operacionais de forma rápida, clara e consistente.

O sistema é modular e contempla todo o workflow corporativo. Assim como alavanca as rotinas do chão de fábrica, garantindo a padronização de atividades e os procedimentos de qualidade, também permite a análise dinâmica das informações produtivas, relatando — em seus mais de 2 mil relatórios disponíveis — o panorama do negócio em tempo real.

Quer saber como o Areco ERP pode potencializar seus resultados?

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *