O mercado em 2018: conjunturas e perspectivas

O mercado em 2018: conjunturas e perspectivas

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Diante de tanta incerteza, há certa ordem no caos: sabemos que em 2018 haverá Copa do Mundo na Rússia, eleições presidenciais no Brasil e bastante tensão no mundo todo.

Nacionalmente, estaremos concentrados nos avanços reformistas (a Previdência, ainda pendente, é certamente o maior destaque), nas oscilações dos índices fundamentais (PIB, inflação, juros e câmbio, para citar apenas alguns) e no desenrolar da maratona presidencial (cuja epopeia ganha novos capítulos a cada dia).

Internacionalmente, permaneceremos atentos aos estremecimentos diplomáticos (em especial na relação entre Estados Unidos e Coreia do Norte), no arrefecimento de alianças (Brexit e Catalunha são bons exemplos) e, claro, na evolução do bitcoin (bem como das demais criptomoedas).

Uma coisa é certa: a economia será, independentemente do território, uma questão central nos meses vindouros.

E como lidar com as sombras que obliteram a visão do que está por vir? Para isso, infelizmente, não existe uma fórmula mágica. Trata-se, na verdade, do esforço constante para alimentar a resiliência e também da capacidade de antever cenários espinhosos — ou, quem sabe, extremamente oportunos.

O mercado para as empresas brasileiras: previsões sobre 2018

No contexto empresarial brasileiro, algumas previsões devem ser consideradas. Para minimizar os riscos e melhorar a performance geral da operação, é importante que os gestores estejam a par da opinião de especialistas que se dedicam a entender (e a prever) o dinamismo do mercado nacional.

Recentemente, em meados de dezembro, o relatório Focus sinalizou esperança no crescimento do PIB em 2018: 2,64%, representando a quinta alta consecutiva.

O mesmo documento também reforçou a previsão para a cotação do dólar, fixando-a em R$ 3,30 no fechamento do ano. Quanto à inflação, a estimativa é que caia um pouco mais: de 4,02% para 4%. No caso da taxa de juros, a expectativa é que permaneça em 7% ao ano em 2018.

No que tange ao consumo, as análises também são bastante promissoras. Seguindo o panorama de 2017, que registrou crescimento de 3,7% no varejo nacional, no próximo ano espera-se um aumento de até 5% — impulsionado por baixa inflação e juros estáveis.

De forma geral, a confiança do empresariado brasileiro pode começar a ser reavivada. E se o consumo tende a crescer, a demanda segue no mesmo caminho. Produções mais largas e expressivas são, portanto, a tendência para 2018.

No limiar de uma recuperação, as empresas precisam reconquistar e manter seus espaços. Mais do que nunca, o próximo ano será marcado pelas oportunidades, mas também pelos desafios. A missão da competitividade, na continua busca por alta performance e otimização de recursos, se tornará ainda mais evidente.

A tecnologia na gestão de 2018

Para alavancar operações, melhorar resultados e aproveitar a guinada do mercado, a tecnologia é uma ferramenta essencial às empresas competitivas. Integrar, simplificar e automatizar são as palavras de ordem — e nós podemos ajudá-lo a fazer com que elas permeiem o seu negócio.

Uma solução capaz de gerenciar todo o workflow, permitindo que usuários e líderes eliminem retrabalhos e se concentrem no desenvolvimento dos potenciais da empresa, é determinante para que o cenário favorável seja, de fato, convertido em resultados mensuráveis.

Conte conosco hoje. Conte conosco em 2018.

 

Aproveite para:

Ou, se preferir,

FALAR COM UM CONSULTOR!

 

 

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *