Como consolidar e analisar os balanços contábeis da empresa

Como consolidar e analisar os balanços contábeis da empresa

Accounting control is essential to competitive companies. By understanding accounting as the business lung, seeing it as the ideal tool to project results and opportunities, managers gain more confidence and autonomy to make strategic decisions of the organization.

The balance sheets, in turn, emerge as the practical instruments that allow operational monitoring and demonstrate the corporate results – updating directors and eventual shareholders. Consolidation of documents, therefore, requires attention and seriousness: management technology can (and should) facilitate the process and ensure the credibility of the data.
 

What is the consolidation of the balance sheets?

In general, the consolidation of the balance sheets can be described as a financial statement that relates one or more entities and is widely used with the parent companies and subsidiaries, and also between controlled and controlling companies. In the case of a conglomerate of companies, for example, it is common for the document to explain the accounting situation of the group as a whole, consolidating them.

The main objective of the tool is to formalize a credible diagnosis of corporate health, punctuating financial activities and signaling deficits and surpluses. By having concrete figures, leaders are more assertive in understanding scenarios and can make increasingly cohesive decisions.

Due to its depth and relevance, the consolidation of accounting balances is a complex task. It is not enough, for example, to plan the company’s information and offer it to managers (and possible shareholders) in its raw format. It requires a method of organizing and integrating the data, transferring the whole movement of the company to the accounting, applying the rules of integration and making them useful to the strategic process of analysis.

The consolidation of balance sheets will also serve as the basis for the calculation of indices such as Current Liquidity, Dry Liquidity, and other indices that are important for good management.
In practice, the consolidation of accounting statements provides background and information for a number of important documents. The main ones are:

  • Statement of Income(SOI);
  • Accumulated Profit and Loss Statements;
  • Opinion of the Supervisory Board.

In addition, reports of any audits may also be incorporated. For companies that fall under the Real Income tax regime, it is important to attach the MEP (Equity Method of Equity) to the documentation.
Thus, it is easy to see that the consolidation of accounting statements is a rigorous activity, highly critical, and that requires know how and seriousness. To ensure the relevance of the data and the feasibility of the evaluation, it is essential that the process be synergistic, integrated and automated.

Why consolidation of the balance sheets is essential?

The biggest motivation for the routine consolidation of balance sheets, of organizations with more than one entity, is the legal regulation: the requirement is provided for by law and is supervised by the Brazilian Securities and Exchange Commission (CVM).

The process has, by itself, benefits that attest to its importance. It is only through the balance sheet, for example, that it is possible to properly analyze the financial and accounting picture of an entity or a business conglomerate.

Moreover, as far as the market is concerned, consolidation is an essential resource for obtaining new credit lines and is usually considered at the moment when potential investors decide on a financial contribution.

Internal management, on the other hand, is also directly impacted by the accounting balance sheets: identifying productive gaps and correcting accounting deviations are some of the advantages provided by consolidation routines.

In order to face market competitiveness, it is essential that the company devotes itself to the transparency and candor of its operations. The consolidation of accounting statements is certainly the instrument capable of strengthening the organizational image and maintaining corporate health, maximizing short, medium and long term results.

How ERP can assist in consolidating financial statements?

According to the Internal Revenue Service, tax and tax obligations consume around 600 hours of work per year. The balance sheets, as well as their consolidation, enter into the calculation.

The number is expressive and even alarming: managers need tools that automate bureaucratic routines, optimizing the resources used to fulfill them.

Management technology is the key to a more organized and transparent process, providing agility without undermining credibility. ERP, for example, has the ability to integrate all areas of the business and minimize manual errors by eliminating rework.

In addition to the operational speed, however, some predicates of the software guarantee its assertiveness in the consolidation of the accounting balance sheets. Among the main ones, the following stand out:

  • speed of information collection, since all the necessary numbers for documents are centralized and easily accessible;
  • compliance with the federal requirement and avoiding sanctions and damages for noncompliance;
  • the potentialization of management, which can be supported by concrete data and, thus, evidence potential bottlenecks and possible business opportunities.

In practice, the consolidation of accounting statements emerges as an instrument of optimization and control. More than just a tax and tax obligation, the analysis is an important support for managers aligned to their business and committed to their companies.

 

Strategic accounting: management technology is the key

The balance sheets are part of the accounting routines and, as well as the other demands of the area, should be treated with transparency and seriousness. Management technology is the ideal tool to strengthen data collection and analysis processes, empowering decision making.

In addition to management activities and internal strategies, however, accounting offices also benefit greatly from the capabilities that integrate and categorize data, centralizing all company information and facilitating access to dashboards and reports.

ERP, therefore, is certainly a powerful ally in the automation of routines and the agility of mandatory closures, ensuring the tax and tax compliance of the company served. The accountant has more peace of mind to close his demands and avoids search and conference rework.

In this way, it would not be wrong to say that the software provides and endorses a healthy and effective relationship between outsourced accounting and the corporate client. When coupled by an up-to-date and secure ERP, the two companies leverage their routines – optimizing financial, human, physical and time resources – and ensure business viability, reiterating compliance with all required regulations.
 
Areco ERP automates accounting integration rules for accounts payable, receivables, inventory, fixed assets and billing operations. Thus SPED submissions and bank reconciliation routines, to name just a few examples, are immediately optimized and occur more securely and transparently. It’s great for the manager, but it’s also great for the bookkeeping that caters to you.

Want to know how we can boost your corporate results?

Atualizações de sistema: por que o Areco ERP é a melhor opção?

Atualizações de sistema: por que o Areco ERP é a melhor opção?

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil y Inglés Estadounidense. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in this site default language. You may click one of the links to switch the site language to another available language.

O mercado, por si só, é um ambiente muito volátil. A competitividade exige que as empresas estejam em constante adaptação, encontrando formas mais eficientes de produzir e mais inteligentes de administrar.

Em paralelo, mas com implicações diretas, também se dá a evolução tecnológica. Com a missão de automatizar, otimizar e alavancar, as inovações chegam às companhias dotadas de um poder significativo — e que pode representar a capacidade de sobreviver e, mais do que isso, também de prosperar.

Há, ainda, as diretrizes legais que devem ser seguidas por todos os tipos de organização, independentemente do porte ou do segmento a que se dediquem. Para cada característica e/ou particularidade operacional, uma série de requisições pressupõe alinhamento às normas fiscais e tributárias, demandando extrema lisura na condução dos negócios.

Os três fatores, que são parte indissociável da atividade empresarial, precisam ser tratados com seriedade. Qualquer negligência pode resultar em riscos sérios e prejuízos consideráveis.

A chave para processos padronizados e adequados às exigências mercadológicas, portanto, é a tecnologia de gestão. Só que a escolha requer atenção: dispense a implantação de um software que não acompanha inovações — pecando em disponibilizar regularmente novos recursos que maximizem a performance das rotinas operacionais — e que torne o acesso às atualizações legais (novas leis sobre a incidência de impostos, por exemplo) ainda mais desgastante, burocrático e oneroso.

 

Conformidade e competitividade: por que um sistema atualizado é importante?

Para os gestores orientados a resultados, a volatilidade do mercado não é mais novidade. Pelo contrário: agora, os líderes estão cada vez mais conscientes de que as mudanças devem ser encaradas como oportunidades valiosas para construir sólidos diferenciais competitivos.

Neste contexto, as ferramentas de gestão são fundamentais para que haja sinergia operacional e consistência estratégica. Não basta que a empresa aprimore processos comerciais se, no ato da venda, comete erros graves ao designar as Naturezas de Operação adequadas, por exemplo.

Da mesma forma, não pode haver perspectivas de franco crescimento se os gestores são privados de relatórios e balanços que possibilitam um excelente planejamento, capaz de otimizar os recursos do negócio e de alavancar os resultados financeiros.

A área tributária, por sua vez, é uma das mais impactadas quando um sistema defasado é utilizado para administrar as rotinas do departamento. Mais do que o retrabalho, que infla os custos desnecessariamente, o risco legal é sério e precisa ser levado em consideração.

O Fisco, enquanto órgão regulador e de fiscalização, é bastante rígido e qualquer desvio pode ser punido com severidade — gerando multas altíssimas e, em alguns casos, até mesmo inviabilizando a continuidade da organização.

De modo a evitar transtornos e prejuízos, é importante que a tecnologia sistêmica esteja atualizada e seja aderente às necessidades do segmento. Ao contar com um software robusto e confiável, o gestor pode focar no que é realmente relevante para sua atuação estratégica, tomando decisões mais seguras e efetivas sem perder tempo com inferências operacionais.

Diante disso, não seria exagerado dizer que, para servir aos mais diversos objetivos — influenciando positivamente todos os setores corporativos, do Comercial à Controladoria —, o ERP desponta como o mecanismo ideal para centralizar informações, automatizar rotinas e maximizar a performance da equipe. Mas não só isso: é, na verdade, uma ferramenta indispensável para manter a conformidade legal (principalmente fiscal e tributária) e alavancar a competitividade.

 

Atualizações sem custos: por que o Areco ERP é a melhor opção?

Uma vez reforçada a importância de dispor de um ERP atualizado, capaz de corresponder às demandas legais inerentes à atividade empresarial, é válido pontuar que a escolha do fornecedor é determinante para o sucesso do relacionamento comercial — e, por uma série de fatores, também para o crescimento de cada uma das partes envolvidas.

Antes de bater o martelo, questione e conheça o processo que rege as atualizações de versão. Explore a periodicidade dos novos lançamentos e verifique as condições para mudanças obrigatórias e de alto impacto — principalmente as fiscais e contábeis.

Em 2018, por exemplo, uma série de normativas entrou em vigor e exigiu que as empresas se adaptassem a rotinas totalmente novas. O eSocial, que alterou significativamente as demandas da área de RH, e a EFD-Reinf, que integra o módulo SPED, foram algumas das obrigações mais impactantes do ano.

As novidades legais, por si só, já costumam ser bastante desgastantes. Para algumas empresas, porém, o processo foi ainda mais complexo: as atualizações de versão, sem as quais não seria possível operacionalizar as novas exigências, eram comercializadas por valores altíssimos.

No Areco ERP, todas as atualizações espontâneas são isentas de custo. Modificações pontuais regulares (como a inserção de um novo campo ou a alteração de determinado fluxo, comunicadas via Release Notes), assim como grandes funcionalidades (eSocial e EFD-Reinf), não implicam em ônus adicional: a empresa não paga nada além da manutenção mensal para dispor das versões lançadas e, assim, atender a todas as exigências fiscais e tributárias (a nível federal e estadual).

A segurança de contar com uma ferramenta robusta e atualizada, sem surpresas negativas no lançamento de novas versões, permite que o gestor tenha mais tranquilidade para pensar no que de fato importa: perpetuar a operação de modo sustentável e lucrativo.

Na prática, o Areco ERP desponta como a solução de melhor custo-benefício do mercado. Além de atualizações sem custo adicional, uma série de outros benefícios — do produto e dos serviços — contribuem para que a empresa ganhe em performance e resultados.

 

A Areco está comprometida com o sucesso de cada cliente. Quer saber como podemos ajudá-lo a tomar decisões mais estratégicas e eficazes?

Planejamento financeiro empresarial: por que é importante e como fazer

Planejamento financeiro empresarial: por que é importante e como fazer

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil y Inglés Estadounidense. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in this site default language. You may click one of the links to switch the site language to another available language.

O planejamento financeiro empresarial é, sem dúvida, um dos primeiros passos para viabilizar uma ideia de negócio e, depois, para perpetuar a competitividade da operação. Neste caso, planejar é essencial e monitorar, indispensável!

De forma a assegurar a saúde financeira da organização, controlando as movimentações do fluxo de caixa, é preciso dispor de tempo para levantar informações relevantes, organizar dados pertinentes ao negócio e, claro, deliberar estrategicamente.

O que é, na prática, o planejamento financeiro empresarial?

A área financeira é, para a maioria das empresas, um dos departamentos mais sensíveis do negócio. Considerando sua importância na capacidade produtiva e na competitividade, a posição é justa e justificável — e deve ser encarada com seriedade e comprometimento.

Para cada tipo de empresa, de acordo com as particularidades das rotinas e dos processos estabelecidos, existem características que devem ser avaliadas no momento de formatar planos de crescimento. É justamente para isso, objetivando delimitar recursos e fixar metas, que o planejamento financeiro ganha espaço e importância.

Na prática, planejar a estratégia financeira consiste em realizar uma projeção de receitas e despesas, examinando um período preestabelecido. A partir disso, o gestor é capaz de levantar variáveis, esmiuçar históricos e desenhar novos cenários, entendendo de forma mais detalhada quais os rumos mais oportunos (e financeiramente viáveis) à empresa.

Por que o planejamento financeiro empresarial é importante?

Em um mercado tão competitivo quanto volátil, em que as mudanças são constante e as inovações ocorrem a todo o momento, é fundamental que os gestores mantenham o controle estrito de suas operações e de seus resultados.

O planejamento financeiro, enquanto estratégia de previsão de cenários, possibilita que as decisões sejam mais coesas, assertivas e produtivas, contribuindo para que a empresa ganhe competitividade — e possa acumular retornos cada vez mais expressivos.

Em linhas gerais, a principal vantagem desse tipo de recurso é conferir tranquilidade às posturas corporativas. Há, por certo, mais clareza nas movimentações financeiras (de receitas e despesas, por exemplo) e mais segurança nos desdobramentos operacionais — tudo o que as lideranças precisam para decidir com foco em boas oportunidades.

Assim, já no curto prazo é possível visualizar os desdobramentos positivos de um processo mais sinérgico e alinhado, aderente às ambições e às demandas empresariais. No longo prazo, por sua vez, a saúde financeira é assegurada e o vigor da capacidade produtiva fica cada vez mais evidente.

Como um ERP pode maximizar o planejamento financeiro da sua empresa?

A tecnologia já é a realidade das empresas mais lucrativas. Para fazer frente à concorrência, é crucial que bons recursos de gestão sejam implementados, endossando atividades estratégicas tal qual o planejamento financeiro.

A utilização de um sistema ERP, que centraliza as informações e integra todas as áreas do negócio, é a chave para uma operação mais eficaz e cristalina. As funcionalidades do software garantem que o gestor possa seguir a metodologia de análise e, assim, construir sua própria estratégia corporativa.

Dentre os benefícios do ERP na edificação de um ótimo planejamento financeiro, despontam:

  • A capacidade de analisar o contexto histórico e preditivo, contrapondo relatórios de sazonalidade a previsões de demanda baseadas em dados passados;

  • A visualização de vulnerabilidades, agilizando a correção de eventuais desvios que possam prejudicar a performance das operações;

  • A identificação de novas oportunidades, permitindo que gargalos produtivos sejam revertidos em diferenciais competitivos;

  • O endosso de objetivos e metas, considerando a capacidade de analisar relatórios de desempenho, contrapô-los a métricas de avaliação e, assim, atestar a viabilidade de desafios mais agressivos;

  • A possibilidade de acompanhar, dia após dia, os indicadores preliminares de cada operação, garantindo agilidade nas decisões que possam impactar positivamente nos resultados corporativos.

O sistema ERP é a solução ideal para agregar mais confiabilidade e transparência à gestão contemporânea. Ao contar com dados atualizados, os gestores maximizam a efetividade de suas decisões e podem se dedicar ao que realmente agrega valor às operações.

Neste contexto, o planejamento financeiro empresarial pode ser descrito como uma ferramenta valiosa, capaz de fortalecer as rotinas produtivas e de potencializar o desempenho da organização — tornando-a financeiramente mais saudável e lucrativa.

Quer saber o que o Areco ERP pode fazer por você e pelo seu negócio?

Inovações tecnológicas na indústria: conheça as principais mudanças

Inovações tecnológicas na indústria: conheça as principais mudanças

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Nos últimos anos, o segmento industrial brasileiro enfrentou momentos difíceis. Desde 2014, o setor acumulava desempenhos negativos e só conseguiu voltar a crescer em 2017 — quando apresentou alta de 4,3%. Para os gestores da área, é tempo de investir em processos eficazes e de fortalecer a competitividade.

A preocupação é justa e não podia ser mais adequada. Com a retomada do mercado, a concorrência se acirra e é preciso investir em técnicas eficientes para otimizar rotinas e maximizar performances. Na prática, a tecnologia é a ferramenta capaz de proporcionar os ganhos esperados e, claro, de endossar o cenário de desenvolvimento, melhorando continuamente os retornos do segmento.

A tecnologia como oportunidade na indústria

Há muitas décadas, o mundo não é mais limitado por barreiras físicas. Hoje, com a supressão de distâncias, a concorrência se intensificou e forçou as indústrias a buscarem competitividade e inovação.

Trata-se, sem dúvida, de um processo contínuo. A evolução tecnológica é perene e assim deve ser, também, o desenvolvimento do setor industrial. Para além da incorporação de novas técnicas de produção, é preciso implantar recursos que maximizem a produtividade e interfiram positivamente no desempenho do negócio.

Não seria equivocado dizer, portanto, que a tecnologia desponta como a grande oportunidade das indústrias brasileiras. As últimas avaliações positivas, somadas às previsões de crescimento do PIB para 2019, nutrem um panorama promissor para que sejam viabilizados investimentos em gestão e, como reflexo, registre-se expressivo aumento de competitividade — e lucratividade.

Inovações tecnológicas na indústria: quais são e como implantar

Gestores antenados já estão convictos de que as possibilidades de crescimento estão diretamente relacionadas à capacidade de inovar. A indústria 4.0 é o maior expoente desse novo contexto e vem demonstrando sua força a cada nova mudança implementada.

Entretanto, para assegurar o crescimento sustentável, adotando princípios inovadores de forma a perpetuar as operações e prover lucros cada vez mais atrativos, é fundamental que haja a segurança de rotinas bem estabelecidas, bem como o amparo de estruturas coerentes que as resguardem.

Conheça algumas das principais disrupturas tecnológicas, fomentadas e fortalecidas pelos avanços da indústria 4.0, e entenda como é possível incorporá-las aos seus processos industriais — tornando-os mais coesos, transparentes e produtivos.

Análise de dados

Os dados têm sido encarados como a grande oportunidade das indústrias. Foi-se o tempo em que apenas a atividade produtiva, regulada pelo bom andamento das engrenagens do PCP, era suficiente para garantir a competitividade de uma fábrica.

Hoje, as análises de produtividade, bem como a avaliação de históricos sazonais e o acompanhamento de performances, ocupam um lugar primordial na rotina dos gestores industriais. É preciso antever movimentos e se preparar para agarrar novas oportunidades — antes que os concorrentes o façam.

Para viabilizar um cenário de crescimento exponencial, a análise de dados é cada vez mais indispensável. Ao dispor de dados críveis, é possível endereçar demandas, corrigir eventuais desvios e maximizar os retornos do negócio.

Impressão 3D

As primeiras impressoras 3D surgiram na década de 80. A popularização dos equipamentos, porém, é recente: somente há alguns anos sua aplicabilidade no contexto empresarial foi validada.

Atualmente, o potencial de inovação propiciado pela tecnologia é evidente — e as impressoras conquistam seu espaço nas indústrias do mundo todo. Seja para agilizar a reposição de peças em maquinários importantes, seja para eliminar processos terceirizados no acabamento de um produto, o fato é que as impressões 3D contribuem diretamente para otimizar recursos, reduzir custos e potencializar a agilidade produtiva.

Robótica avançada

Os robôs já são uma realidade nas indústrias. De acordo com um levantamento recente, somente em 2017 foram comercializados 381 mil robôs industriais em todo o mundo — um aumento de 30% em relação ao ano anterior.

Os avanços da robótica abrem um horizonte promissor também para as fábricas brasileiras. Com o objetivo de alavancar as linhas de produção, melhorando a produtividade das unidades de negócio, os robôs podem ser integrados aos fluxos do PCP e, mediante adequada integração sistêmica, são capazes de fomentar uma significativa vantagens de mercado.

Gestão facilitada

Apesar de toda a disrupção tecnológica, não é exagero dizer que nenhuma inovação surte efeito se, em paralelo à sua aplicação, não houver também um intenso esforço gerencial.

As lideranças industriais precisam contar com informações centralizadas, recorrendo aos dados de suas unidades sempre que houver a necessidade de tomar alguma decisão.

Além disso, os indicadores de performance são instrumentos essenciais para garantir que tudo corra conforme o planejado, minimizando retrabalhos e evitando desvios — que, por sua vez, podem culminar em prejuízos consideráveis, muitas vezes fatais.

Para suprir as demandas suscitadas pelo novo panorama de mercado — considerando a alta concorrência e a volatilidade do cenário empresarial —, já está claro que a tecnologia é a chave. E não apenas no que tange às inovações! O segredo está, na verdade, em propiciar a verdadeira qualidade gerencial, capaz de abarcar com eficiência as mudanças de vanguarda.

O Areco ERP é o recurso ideal para que as indústrias alcancem o máximo potencial. A tecnologia permeia todo o workflow e contribui para padronizar processos e centralizar informações, assegurando acesso rápido, seguro e transparente aos dados corporativos.

Uma vez na dianteira de seus indicadores, os gestores podem tomar decisões mais assertivas, validando, por exemplo, a necessidade e a oportunidade de implantarem uma inovação que pode alterar o desempenho do negócio — e maximizar os retornos operacionais.

Conheça o Areco ERP e veja a tecnologia de gestão pode alavancar sua indústria. Aproveite, também, e fale com um consultor!

Previsibilidade e gestão: tecnologia aplicada ao planejamento

Previsibilidade e gestão: tecnologia aplicada ao planejamento

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O mercado atual, tão competitivo quanto desafiador, não é muito tolerante com achismos. É justamente por isso que os gestores contemporâneos, cientes de que é preciso otimizar recursos para manter a competitividade, estão cada vez mais preocupados com a qualidade e com a efetividade de seus dados.

A segurança proporcionada por informações transparentes e críveis, geradas a partir do fluxo de operações da empresa, não pode (e nem deve) ser substituída por nenhum outro recurso.

Quando o gestor conhece, em detalhes, as particularidades de seus processos, fica mais fácil antever movimentos que podem ser decisivos na manutenção e no desenvolvimento do negócio. As previsões empresariais, portanto, são fundamentais para decisões mais assertivas e mais promissoras.

 

Por que é preciso investir em previsões empresariais?

A missão dos gestores, enquanto líderes de suas organizações, é a de tomar decisões estratégicas, inovadoras e competitivas com segurança. Em um mercado altamente competitivo e volátil, equívocos e desvios podem ser punidos com severidade — e, inclusive, comprometer a saúde e a viabilidade do negócio.

Neste contexto, a previsibilidade ganha destaque entre as organizações mais orientadas a resultados. Não se trata, por exemplo, de adivinhar qual será a próxima tendência, mas, em vez disso, de antever algum movimento interno e/ou externo que possa afetar (positiva ou negativamente) a evolução corporativa.

Imagine situações corriqueiras, ainda que determinantes: na produção, é possível que determinada matéria-prima sofra um aumento excessivo de preço, o que prejudicaria a competitividade do item em função da disparada do preço de venda.

Da mesma forma, uma disruptura externa, muitas vezes baseadas na ascensão de tecnologias que alteram o comportamento de consumo, pode causar certa obsolescência em produtos já estabelecidos, obrigando a empresa a pensar em um reposicionamento urgente de portfólio.

Diante dessas exemplificações, fica fácil perceber a importância das previsões empresariais no cenário contemporâneo do mercado. Prever, neste caso, significa estar preparado (e mesmo à frente) das alterações inevitáveis que acontecem no ambiente interno e externo.

 

Como é possível atingir uma gestão mais previsível?

Os desafios da gestão assertiva (e competitiva) são inúmeros — e se alteram com frequência, acompanhando o ritmo do mercado. Ao agregar mais previsibilidade às atividades de liderança e estratégia, é possível conferir mais segurança e efetividade às decisões.

Atingir e manter uma gestão mais previsível, portanto, deve ser uma meta empresarial. Minimizando riscos internos e externos, administrando-os de forma a encontrar oportunidades onde antes havia insegurança, desponta como um diferencial relevante e bastante consistente.

Dentre as previsões mais corriqueiras, ainda que indispensáveis ao cotidiano gerencial, estão:

  • de demanda, que devem ditar os ajustes de produção, por exemplo, de forma a suprir a procura pelos produtos comercializados;
  • financeira, que controla todos os recursos da organização e, assim, dita a necessidade de contenção ou a disponibilidade para investimentos;
  • processual, que regula os fluxos da operação e assegura que estejam seguindo a padronização estabelecida;
  • de ressuprimento, garantindo a capacidade operacional do negócio por meio da reposição de insumos.

Para além desses mecanismos de previsibilidade, porém, existem outros patamares de análise que podem representar vantagens competitivas à empresa. É o caso, por exemplo, da análise de BI.

Painéis gerenciais, construídos de acordo com as particularidades da operação, são recursos essenciais para garantir uma visão ampla e consistente, mas também altamente estratégica.

Ao visualizar seus indicadores-chave, o gestor tem mais tranquilidade para construir alternativas e, claro, também para deliberar. Neste caso, a capacidade de entender, via key insights, qual é o panorama geral dos processos e qual será o cenário nos próximos dias (semanas ou meses), endossa o tipo certo de gestão: a consciente. É, portanto, a máxima da gestão previsível.

 

A tecnologia como peça-chave na gestão efetiva

A tecnologia de gestão é a grande aliada dos líderes de alta performance. O panorama é justificável na medida em que o ERP, ao integrar fluxos e operações, empodera as pessoas por meio dos dados, garantindo que tenham uma visão clara e confiável dos resultados corporativos.

Não se tratam apenas de indicadores de performance, que medem o desempenho das atividades-fim. Há, também, as métricas de consulta, que servem como uma bússola capaz de apontar se a direção que está sendo percorrida é, de fato, a desejada.

Os sistemas de gestão são, portanto, ferramentas indispensável para permitir e endossar a administração previsível, uma vez que evidenciam desvios, que devem ser prontamente corrigidos, e também oportunidades, que devem ser aproveitadas tão logo sejam identificadas.

O Areco ERP é a solução ideal para a gestão previsível, orientada a resultados. O software é modular, integra todo o workflow empresarial e oferece uma gama de mais de 2.000 relatórios gerenciais. Na prática, todos esses recursos têm objetivos muito nobres: simplificar as rotinas, automatizar as operações e maximizar a performance da equipe.

 

Quer saber como podemos ajudá-lo?

Rentabilidade sustentável: 4 dicas para manter o lucro da empresa

Rentabilidade sustentável: 4 dicas para manter o lucro da empresa

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Qualquer empresa, independentemente do porte ou do segmento que se dedique a atender, já nasce com um objetivo bem claro: lucrar. A rentabilidade, quando perene, permite e endossa uma série de estratégias que culminam no desenvolvimento e no crescimento da operação.

Nada mais natural, portanto, que manter o foco em um objetivo simples de explicar, mas complexo de atingir: obter rentabilidade sustentável, ao longo dos anos, com expectativas coesas de alavancagem.

 

Quais são os principais entraves da rentabilidade sustentável?

O monitoramento contínuo, amparado em dados críveis e transparentes, é uma prática essencial para que eventuais desvios de rentabilidade sejam facilmente identificados e prontamente corrigidos.

A partir de balanços, relatórios gerenciais e análises dinâmicas, o gestor é capaz de analisar sua operação e seus resultados com cautela, imparcialidade e eficácia. Qualquer anomalia de processos ou de gestão pode ser, então, endereçada e ajustada.

É bastante recorrente que equívocos operacionais estejam comprometendo a lucratividade da empresa. Problemas de qualidade, por exemplo, aumentam os custos de produção. Dificuldades no estoque, por sua vez, encarecem a armazenagem e podem ocasionar perdas significativas.

Da mesma forma, uma estratégia inadequada, sempre que replicada, tem o poder de desviar os resultados da empresa e de derrubar o lucro da operação. Seja com a falta de planejamento, seja com uma frágil gestão financeira, o fato é que existem situações perigosas à rentabilidade e, portanto, também danosas à perenidade dos negócios.

 

Quais são as principais estratégias para manter o lucro da empresa?

Aos gestores, não é nenhuma novidade dizer que a volatilidade do mercado exige que haja dinamismo e versatilidade no momento de traçar as estratégias da empresa — as quais, por sua vez, guiarão os negócios na direção das metas que devem ser atingidas.

No esforço contínuo para manter a direção certa, principalmente no que tange à lucratividade da operação, uma série de táticas se mostram cada vez mais valiosas e podem ser largamente utilizadas em empresas dos mais diversos portes e segmentos.

1. Verifique se você adota o regime tributário mais adequado

No Brasil, a carga tributária é bastante agressiva e, se mal gerenciada, pode comprometer a saúde e a viabilidade do negócio. É essencial, portanto, que os gestores se preocupem com a eficiência de suas decisões e certifiquem-se de que o regime tributário em vigor é, de fato, o mais pertinente ao contexto da empresa.

É possível (e mesmo bastante comum) que, após um expressivo crescimento, seja necessário mudar a classificação tributária da empresa. Muitas começam, por exemplo, sob a chancela do Simples Nacional e, após certo tempo, precisam avançar para o Lucro Real ou Lucro Presumido.

A capacidade de analisar constantemente as réguas do negócio, observando o faturamento e reavaliando periodicamente o cenário tributário, desponta como um diferencial importante à manutenção do lucro.

Afinal, quando uma empresa tem equívocos tributários, o prejuízo é imenso — e, mais do que apenas afetar o financeiro, pode comprometer o funcionamento de todas as áreas do negócio.

2. Automatize o máximo possível

A automatização de tarefas é um excelente método para alavancar a rentabilidade da organização. Quando o fluxo processual dispensa o excesso de interferências manuais, há, de imediato, ganhos bastante significativos.

O capital humano pode ser deslocado para atividades com maior valor agregado, contribuindo para que o fluxo de tarefas estratégicas tenha mais espaço no cotidiano corporativo.

A automatização de procedimentos, por exemplo, otimiza os recursos, já que os custos de retrabalho — muito comum em processos excessivamente manuais — são minimizados.

3. Maximize a produtividade

Como não podia deixar de ser, a produtividade da empresa está diretamente ligada à eficiência dos recursos empresariais — sejam eles físicos, tais como máquinas e equipamentos, ou humanos, constituídos pelo próprio quadro de funcionários.

Para que uma empresa se torne (e se mantenha) competitiva, a produtividade é essencial e deve permear todos os níveis da empresa, da produção ao Comercial. Os apontamentos online no PCP, tanto quanto a automatização de lembretes no CRM, contribuem para tornar a gestão mais produtiva.

4. Acompanhe (e atualize) sua lista de preços

A manutenção da lista de preços, que é a estratégia de precificação traduzida no mercado, é uma atividade facilmente negligenciada. Esse comportamento gerencial, porém, pode culminar em danos sérios à organização — e prejudicar fatalmente o lucro da empresa.

Se os custos de produção sobem, por exemplo, seja por conta da implantação de uma melhoria tecnológica ou em função da valorização da matéria-prima, é fundamental que o adicional seja repassado ao mercado. Quando esse paralelo não é verdadeiro, é grande a chance de fechar as contas no vermelho, mesmo que as vendas se mantenham.

Na prática, embora soe mais simples do que a execução pressupõe, não há segredo: controle, integração e transparência são ingredientes indispensáveis para assegurar a conformidade da operação e a lucratividade sustentável do negócio.

Para que tudo isso se torne realidade no cotidiano corporativo, entretanto, é prudente dispor de ferramentas capazes de fornecer dados e insights valiosos à lucratividade.

O Areco ERP, sistema que permeia todo o workflow, é a tecnologia ideal para proporcionar o que o seu negócio precisa para crescer — e lucrar cada vez mais. As funcionalidades do software facilitam o controle fiscal e tributário, automatiza as rotinas corporativas e otimizam os recursos disponíveis.

Para entender como alavancar o seu negócio, fale com um consultor!

O que esperar em 2019: perspectivas para a economia, a tecnologia e o mercado

O que esperar em 2019: perspectivas para a economia, a tecnologia e o mercado

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A cada fim de ciclo, um novo conjunto de expectativas sobre economia, tecnologia e mercado começa a ganhar forma. Com a proximidade de uma virada de ano, é natural (e até altamente recomendável) que análises renovadas possam embasar projetos inovadores, capazes de alavancar a competitividade das empresas.

Entre os gestores, portanto, o momento é de observação e de planejamento. É hora de resgatar indicadores, estudar o contexto de mercado e traçar um plano coeso para deslanchar em 2019.

Trata-se de um trabalho em duas frentes: o êxito do processo está diretamente ligado à avaliação da capacidade do negócio e da habilidade de enxergar para além das dependências da organização, entendendo as nuances da economia e as preferências de consumo.

Perspectivas para a economia em 2019

O ano de 2018, marcado pelas eleições presidenciais, foi decisivo para definir o panorama de gestão no Brasil. A vitória de Jair Bolsonaro, que se posicionou como um candidato de direita, dá indícios de como será a administração política, econômica e social do país nos próximos quatro anos.

Antes mesmo da posse do presidente eleito, porém, órgãos nacionais e internacionais pontuam o cenário e endereçam algumas das questões internas.

O relatório Focus, divulgado pelo Banco Central, por exemplo, baixou a estimativa de inflação para 2019 — de 4,22% para 4,21%, com meta central de 4,25%. A previsão é de que a taxa básica de juros (Selic) fique em 8% e o PIB feche em 2,5%. O FMI (Fundo Monetário Internacional) concorda e também apontou para um crescimento de 2,5% em 2019.

Alvaro Chaves, economista de formação e CEO da Areco Sistemas Empresariais, considera que as expectativas são otimistas. Segundo ele, “já existem instituições financeiras apostando em um índice Ibovespa entre 100.000 e 120.000 pontos para o final de 2019 — o que é um incremento percentual altamente promissor.”

Em geral, o mercado de capitais reflete e antecipa o que se espera de resultados na economia e nos negócios, por isso, há uma margem alta de crescimento, aberturas de investimentos e projetos saindo da gaveta.

Alvaro sinaliza que “evidentemente, haverá uma certa cautela no início do ano de 2019, pois será necessário ver o resultado concreto entre o governo com sua nova modalidade de composição do ministério e a negociação com o congresso e senado renovados”.

Para o CEO, é mandatório que o Brasil consiga alinhar importantes reformas estruturais regulatórias, permitindo um horizonte de redução da carga tributária, abertura aos investimentos, flexibilização e simplificação das questões trabalhistas. “Esses passos, por si só, deverão estar claros nos primeiros 100 dias de governo e são a chave para o início de um longo período de crescimento, ante a demanda reprimida que existe no Brasil e os muitíssimos recursos econômicos potenciais a serem explorados, obviamente, apenas se estas expectativas iniciais forem correspondidas”, finaliza.

A tecnologia em (e para) 2019

O Gartner, especializado em pesquisas, listou as 10 principais tendências tecnológicas que devem ser exploradas em 2019. Dentre elas, as “coisas autônomas” — tais como robôs, drones e veículos autônomos, que se valem de inteligência artificial (AI) para prover uma interação mais natural —, o blockchain — principalmente no que tange à maximização da transparência e da confiança nos relacionamentos corporativos sem intermediários — e os espaços e cidades inteligentes.

Para além da vanguarda tecnológica, porém, é importante reafirmar a importância do aparato tecnológico no cotidiano das empresas. Somente ao contar com recursos modernos e atualizados, capazes de automatizar as rotinas e otimizar os recursos, é possível potencializar a performance do negócio.

Alvaro Chaves, que opera no mercado de tecnologia há 30 anos, pondera que “nunca os profissionais trabalharam em tantas frentes simultâneas como ocorre hoje. A crescente demanda por performance e produtividade, os obriga a buscarem alternativas tecnológicas, muitas vezes disruptivas, em seus próprios segmentos”.

Alvaro, inclusive, complementa que “o esperado é que muitas empresas foquem em automatizar e integrar ainda mais seus processos, que a cada dia se expandem para fora do ambiente interno da empresa e se conectam com consumidores, fornecedores, agentes financeiros. Vemos, portanto um conjunto de novas oportunidades baseadas em seccionamentos de ações, que podemos chamar de micro serviços integrando-se, e muitas vezes entre players diferentes. É a revolução 4.0 indo bem além da indústria”.

Os desafios do mercado para 2019

O mercado é, sem dúvida, um ambiente bastante complexo e volátil. Não seria equivocado dizer que ele é, em maior ou menor grau, o reduto de influência dos dois fatores anteriormente citados: a situação econômica, assim como a evolução tecnológica, impacta significativamente nas estruturas do mercado.

Há, também, outras variáveis que interferem na configuração do contexto mercadológico. O entendimento acerca das preferências de consumo, por exemplo, são determinantes para garantir alinhamento consistente e resultados expressivos.

Os desafios do mercado, portanto, são inúmeros. Para 2019, essa realidade é ainda mais evidente: diante do novo, é preciso estar preparado para competir com mais assertividade, minimizando erros e maximizando retornos.

O papel da gestão: o grande trunfo para 2019

Diante de tantos estímulos, é essencial que o gestor mantenha o foco. Muitas distrações, ainda que pareçam uma visão generalista sobre o contexto contemporâneo, podem dispersar os objetivos principais e comprometer o desenvolvimento da empresa.

Alvaro Chaves, que está à frente das decisões e operações da Areco Sistemas Empresariais, é enfático ao dizer que a tecnologia em gestão, embora esteja em constante evolução e seja capaz de fornecer respostas efetivas aos impasses administrativos, ainda tem algumas de suas possibilidades pouco exploradas.

O CEO pontua que “é tempo de aproveitar as oportunidades para ganhar competitividade, já que a missão de transformar dados operacionais em decisões estratégicas e ágeis continua”.

As empresas, portanto, devem aprender suas ferramentas com profundidade para extrair o potencial que cada uma delas tem a oferecer.

Blog  O que esperar em 2019: perspectivas para a economia, a tecnologia e o mercado

Diante disso, a mensagem final ganha contornos mais expressivos: ainda que haja certa incerteza sobre o que esperar, de fato, para 2019, há posturas e ações que podem edificar um cenário mais promissor e lucrativo. A tecnologia de gestão é, sem dúvida, uma delas.

Estudos apontam que empresas que utilizam um ERP, responsável por integrar as diversas áreas do negócio e automatizar os processos internos, crescem até 35% mais rápido. Em um mercado cada vez mais competitivo, é fundamental escalar operações, alavancar as performances e fortificar os recursos de gestão.

Para entender como podemos ajuda-lo a aliar tecnologia e gestão, preparando você e a sua empresa para aos desafios do próximo ano, conheça o Areco ERP.

Se preferir, fale com um consultor!

Gestão completa: da estratégia à produção

Gestão completa: da estratégia à produção

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O cotidiano dos gestores é desafiador, dinâmico e atribulado. No dia a dia da operação, as demandas são diversas e estão geralmente associadas a outras áreas do negócio. A todo momento, precisam de atenção e exigem uma decisão. Para ser um gestor melhor, é preciso dominar técnicas e ferramentas capazes de potencializar os resultados da empresa.

O conhecimento, quando aliado a recursos eficazes e transparentes, motiva e fortalece a performance gerencial. Por isso, reunimos alguns de nossos melhores conteúdos de administração e estratégia para que você tenha uma visão global e complementar das operações-chave do negócio — e possa se preparar para enfrentar os desafios diários da tomada de decisão. Confira!

 

1. Gestão e estratégia

A gestão integrada e transparente é chave de um fluxo coeso de tarefa, à prova de erros manuais e desperdício de recursos.

2. Comercial

A área comercial é altamente dinâmica e, por isso, os processos precisam sustentar e acompanhar a evolução das negociações.

3. Compras e Logística

A área de Compras é vital para garantir a continuidade dos processos. Da mesma forma, as atividades logísticas são imprescindíveis para otimizar os recursos produzidos.

4. Estoque

O Estoque é, sem dúvida, um setor estratégico — e suas operações precisam ser administradas com transparência e controle, de forma a maximizar os resultados da empresa.

5. Financeiro

As rotinas financeiras envolvem muita responsabilidade, mas também despontam como uma área crucial para manter a operação rentável, saudável e em crescimento.

6. Produção

O PCP é complexo e, justamente por isso, exige que seus processos sejam corretamente alinhados, padronizados e executados. Essa fórmula assegura a conformidade e, claro, a produtividade da fábrica.

 

Na Areco, mais do que explorar a tecnologia para simplificar e automatizar os processos empresariais, estamos totalmente envolvidos com o desenvolvimento das lideranças — para que, elas também, possam extrair o máximo potencial de suas habilidades e consigam angariar valor ao trabalho e ao negócio.

Um bom exemplo desse compromisso é nossa série autoral, o CEO Talks, que trata de gestão, estratégia e resultados sob diversos âmbitos e abordagens. Assista AQUI, na íntegra, aos primeiros episódios (e, depois, se possível, nos envie seu feedback).

 

Se quiser saber mais sobre como nossa tecnologia tem contribuído para moldar gestores melhores e mais assertivos, fale com um consultor!

 

[INFOGRÁFICO] Passo a passo para definir processos e indicadores na sua empresa

[INFOGRÁFICO] Passo a passo para definir processos e indicadores na sua empresa

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A rotina empresarial também precisa ter começo, meio e fim. O fluxo correto das atividades garante que haja sinergia na execução, qualidade no desempenho e, claro, sucesso na entrega.

Para servir a esse propósito, processos e indicadores são essenciais. Enquanto o primeiro contribui para padronizar operações e manter a qualidade do que é produzido, o segundo está diretamente ligado à mensuração dos resultados e assegura que haja controle de performance.

Na prática, toda empresa que deseja escalar seu crescimento e alavancar sua produtividade precisa pensar, estruturar e monitorar seus processos e indicadores.

Veja o passo a passo de cada um — e, se preferir salvar o documento em PDF, basta clicar aqui.

 

Blog  [INFOGRÁFICO] Passo a passo para definir processos e indicadores na sua empresa

 

O Areco ERP influencia o workflow empresarial e impacta positivamente em todas as etapas da operação — da formalização de processos ao acompanhamento de resultados.

Para entender a dimensão dos benefícios do Areco ERP, assista aos depoimentos de outros gestores que já experienciaram a mudança.

 

Para saber como podemos ajudá-lo a potencializar o desempenho do seu negócio, fale com um consultor!

Como escalar o crescimento da empresa?

Como escalar o crescimento da empresa?

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Mesmo quando iniciantes, as empresas se estruturam para atingir a estabilidade e, então, a fase de crescimento. Quando as operações já estão padronizadas e seguem um fluxo pré-determinado, quando a equipe está alinhada e dispõe de ferramentas adequadas para maximizar a performance das operações cotidianas, é hora de traçar a estratégia para escalar o negócio.

Como escalar o crescimento da empresa?

Há, sem dúvida, uma série de táticas que podem ser aplicadas com o objetivo de promover e de acelerar o desenvolvimento da organização. Para que o gestor seja capaz de analisar a viabilidade das ações e, assim, definir as prioridades, é importante que haja:

  • metas e objetivos definidos;
  • padrões e processos estabelecidos;
  • métricas e indicadores fixados (e regularmente revistos);
  • diferenciais relevantes e consistentes;
  • equipe comprometida e engajada;
  • recursos adequados e disponíveis.

A combinação desses aspectos compõe um planejamento estratégico e gera um plano de ação — que, por sua vez, contempla o curto, o médio e o longo prazo. Os documentos, quando assimilados e aplicados no cotidiano da empresa, agem de forma a extrair o máximo de produtividade e a organizar a demanda de entregas, focando primeiro no que é essencial e estratégico.

Na prática, as diretrizes apontam o caminho para que seja possível escalar o negócio, replicando o modelo operacional, que já foi testado e aprovado, para mercados maiores e mais exigentes.

[ASSISTA AO DEPOIMENTO: Alan e Anderson, sócios da Cirúrgica Home Care, em Valinhos, contam como a tecnologia do Areco ERP impulsionou e suportou o crescimento da empresa.]

Por que a tecnologia é peça-chave para escalar negócios?

Considerando que o crescimento empresarial está diretamente ligado à capacidade de expandir operações sem comprometer a qualidade da execução, não é nenhum exagero afirmar que práticas de simplificação e automatização são imprescindíveis às organizações que visam o desenvolvimento.

Nesse contexto, a tecnologia desponta como o recurso ideal para viabilizar, por exemplo, que fluxos eficientes sejam sistematizados e possam ser integrados e replicados a outros departamentos e/ou a novos mercados. Da mesma forma, os recursos tecnológicos podem (e devem) ser empregados para centralizar e organizar dados estratégicos, gerando relatórios que facilitem o controle dos indicadores fixados.

Na prática, a gestão empresarial como um todo — da fábrica à estratégia — é fatalmente beneficiada pela incorporação de tecnologias aderentes à realidade da operação e eficazes na simplificação de rotinas.

O ERP, que é produto da união de técnicas administrativas e de avanços tecnológicos que as potencializam, é um poderoso aliado na missão de escalar negócios.

Dentre os benefícios imediatos do sistema, quando aplicado ao cotidiano corporativo, figuram:

1. Centralização de dados

Quando os dados estão dispersos, a equipe incorre em retrabalho com mais frequência. A taxa de erros manuais também aumenta, uma vez que é preciso redigitar as informações para encaminhá-las àqueles que deverão executar a próxima ação.

Ao reunir todo o volume de dados em um só local — tornando-o acessível às mais variadas unidades do negócio —, o sistema facilita a gestão da operação e otimiza recursos financeiros, humanos e físicos.

2. Padronização do workflow

Processos padronizados são imprescindíveis à alavancagem de negócios. Sem eles, torna-se praticamente impossível replicar o modelo a outras áreas e/ou mercados.

A definição do fluxo de trabalho e a automatização sistêmica de procedimentos rotineiros é essencial para assegurar um cenário favorável para escalar o crescimento da empresa — e somente a tecnologia pode reunir e organizar, de modo conciso e eficiente, todos os detalhes da operação.

3. Acompanhamento de métricas e indicadores

A ausência de rotinas regulares de acompanhamento, em que existe a revisão de métricas e a avaliação de indiciadores de performance, é bastante prejudicial ao desenvolvimento da empresa.

Em ocasiões em que não há clareza do desempenho (de profissionais e áreas) e nas quais impera certa dificuldade para identificar desvios, comprometem-se os resultados da operação e a credibilidade da empresa no mercado.

Para garantir que seja possível escalar o negócio, cabe às lideranças a tarefa de manter rotinas de avaliação de KPIs e prover o feedback adequado, corrigindo falhas e valorizando o que teve destaque.

Na prática, o ERP promove, estimula e viabiliza decisões mais transparentes e assertivas. Com o apoio de uma operação enxuta e a segurança de uma estratégia consolidada, a missão de escalar o crescimento da empresa deixa de ser traumática e se torna um objetivo bastante tangível.

Para saber mais detalhes sobre como um ERP pode impulsionar o seu negócio, baixe (em PDF, para que você mantenha sempre à mão) nosso infográfico exclusivo.

 

Se você ainda tem dúvidas sobre a necessidade da sua empresa, consulte nossos especialistas gratuitamente: