Como a tecnologia agrega à contabilidade?

Como a tecnologia agrega à contabilidade?

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A contabilidade surge como uma área essencial em qualquer organização. Responsável por coletar, registrar, analisar e repassar informações financeiras, o departamento controla dados que, por refletirem a saúde do negócio, fornecem uma visão detalhada das operações e podem servir como base para novas estratégias de crescimento. Mas, como a tecnologia agrega à contabilidade?

Pensando assim, a contabilidade gera dados para um processo amplo de planejamento. Contribuindo para ampliar avaliações e orientações a respeito do mercado e das obrigações fiscais e tributárias.

Em um mercado cada vez mais competitivo, as mudanças são frequentes. O processo de adaptação deve ser contínuo, profissionais e empresas precisam se reinventar!

Veremos neste artigo como a tecnologia agrega à contabilidade e algumas inovações essenciais para quem visa o crescimento organizacional.

Boa leitura

Tecnologias e inovações para a contabilidade

A tecnologia aprimora os processos de gestão e age como um mecanismo indispensável ao crescimento dos negócios. Isso não seria diferente na contabilidade, é claro.

Existem várias tecnologias e inovações disponíveis no mercado que podem auxiliar o processo contábil, tais como:

  • Aplicativos

    Hoje em dia existem diversos aplicativos gratuitos e pagos disponíveis para download que agregam muito ao processo. Veja estes apps gratuitos que separamos:

  1. Expensify: aplicativo gratuito que gera relatórios de gastos;
  2. Zero Paper: aplicativo existente na versão gratuita e paga, que serve para controlar contas a pagar e a receber e gerar relatórios;
  • Atendimento online

    Esta prática, seja em escritório ou no departamento da empresa, pode ser a solução para gargalo de produtividade. Otimizando o atendimento você diminui as reuniões in loco e pode optar por reuniões remotas, via vídeo conferência. Além de utilizar outros meios de comunicação, como e-mails, chats no site da empresa, formulários online e até comunicadores instantâneos.

  • Assinatura eletrônica

    Sabemos que assinar vários documentos é uma tarefa que demanda muito tempo. Ainda mais se a organização for de grande porte. A todo momento são emitidos diversos documentos que necessitam da assinatura de um responsável. Desta forma, a assinatura eletrônica surgiu para otimizar esse processo. Trata-se de um código exclusivo e interligado a uma pessoa ou empresa, que serve para dar autenticidade e validade a um documento eletronicamente, sem necessidade da presença física de algum representante.

  • Software de gestão integrada:

    Uma das maiores vantagens de usar a tecnologia no é poder otimizar certos processos e facilitar a execução de tarefas, neste caso podemos contar com um software de gestão integrada, como o ERP. Um sistema ERP automatiza processoselimina retrabalho e minimiza as chances de erro nas atividades cotidianas. Por ser responsável pela integração de departamentos, o software é o grande aliado da contabilidade atualmente, além de concentrarem todas as informações necessárias aos fechamentos fiscais e contábeis, o ERP ainda fornece indicativos essenciais de desempenho. Com ele também é possível adotar a prática de integração contábil que propicia mais segurança e assertividade na tomada de decisões, principalmente em questões estratégicas.

Integração contábil

A integração contábil é uma solução desenvolvida para conectar a área financeira dos seus clientes com o seu sistema contábil. Com ela é possível visualizar e importar os dados lançados por eles em seus sistemas de gestão.

A integração contábil desponta como uma poderosa ferramenta para assegurar mais controle operacional e mais segurança na conformidade legal das empresas. Ao explorarem os métodos com consistência, os líderes e contadores são mais ágeis nos fechamentos obrigatórios e têm mais confiança nos dados emitidos.

Por que a integração contábil é importante?

As exigências contábeis, fiscais e tributárias, no Brasil, são bastante amplas e rigorosas. Um levantamento da Receita Federal apontou que as empresas nacionais gastam, em média, 600 horas por ano para calcular e pagar impostos e contribuições — o que equivale a 25 dias de expediente.

Para evitar retrabalhos desnecessários e otimizar as operações burocráticas, a integração contábil, possibilitada pela tecnologia de gestão, atua como uma excelente aliada.

Alguns dos principais benefícios da prática são:

  1. Agilidade nos fechamentos fiscais do módulo SPED

Com o projeto de digitalização das escriturações fiscais e contábeis, o SPED demanda uma série de arquivos que devem ser remetidos ao Governo com periodicidade e critérios específicos, valendo-se da tecnologia para corresponder às demandas de entrega.

A emissão dos documentos é muito mais simples e rápida quando os registros financeiros e contábeis já estão organizados. Já imputados seguindo regras contábeis previamente definidas e que atendem às demandas da empresa.

Por isso, a eficiência e o suporte do software, ainda no que tange aos procedimentos contábeis, tornam-se também indispensáveis à conformidade fiscal, garantindo que a empresa cumpra suas obrigações perante os órgãos competentes.

  1. Facilidade na conciliação bancária

A conciliação bancária, em sua missão de comparar o saldo das contas no banco com o controle financeiro interno da empresa, é de extrema importância para garantir a segurança das informações financeiras e da movimentação de caixa.

Nesse caso, quando as parametrizações referentes às contas financeiras atendem às demandas do Contas a Pagar e do Contas a Receber, o processo de conferência é mais simples e rápido.

O processo de integração contábil, por sua vez, facilita ainda mais essa rotina justamente ao assegurar que as informações sejam registradas de modo estruturado. Basta, então, que o analista responsável faça a checagem para que certifique a pertinência dos valores e prossiga com os fechamentos.

A Areco Sistemas Empresariais é sua parceira agora, amanhã e sempre. Conte conosco para superar as dificuldades do cenário atual e preservar o crescimento do seu negócio.

Estamos aqui para você, agende uma consultoria gratuita com um de nossos especialistas!

Tendências de RH que impulsionam a transformação

Tendências de RH que impulsionam a transformação

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Na Areco Sistemas Empresariais, acreditamos que, ao impulsionar empresas, ajudamos a desenvolver pessoas. Reservamos ao RH uma atenção toda especial. Sabemos que é lá, no dia a dia corporativo, que talentos são lapidados e potencializados, contribuindo para um mercado cada vez mais forte. Acompanhe nesse post as tendências de RH.

Além disso, o Departamento de Recursos Humanos é, sem dúvida, um grande catalisador de mudanças. A área é repleta de iniciativas que empoderam equipes e alavancam operações, agregando competitividade à companhia.

 Na prática, a mensagem é bem direta: os avanços do RH despontam como excelentes oportunidades de impulsionar a transformação tecnológica e digital na sua empresa, expandindo benefícios para outros setores internos.

Neste post, você vai entender melhor quais são as principais tendências de RH, explorando a aplicação de cada uma delas no contexto do seu negócio.

Boa leitura e bons insights!


Tempo de leitura: 7 minutos


A lógica do RH: por que o departamento é tão importante?

 É fácil perceber a importância do RH no ecossistema empresarial. Relembre, por exemplo, a primeira vez que você notou que seu negócio tinha crescido. Muito provavelmente, a lembrança está associada à necessidade de contratar mais profissionais para delegar funções operacionais.

Após encontrar a pessoa ideal para o cargo, você precisa treiná-la. Todo o processo, que antes estava centralizado na sua cabeça, precisa ser sistematizado e repassado, garantindo que tudo continue funcionando adequadamente.

O passo seguinte é acompanhar o desempenho do profissional e, sempre que necessário, orientá-lo na execução correta das tarefas propostas.

Tudo isso enquanto gerencia — ou delega a responsabilidade de gerenciar — a Folha de Pagamento e o envio da documentação trabalhista. A formação de uma equipe sinaliza que há ganho de mercado e que, a partir daquele momento, mais pessoas participam do seu sonho.

A sua missão, enquanto líder, é garantir que essa primeira iniciativa renda muito frutos. O RH pode impulsionar a transformação no seu negócio — e as principais tendências da área são uma boa bússola para que você enxergue com mais clareza.

 

Quais são as principais tendências de RH e como elas impulsionam a transformação?

 O mercado mudou muito nos últimos anos. Para manter a competitividade, as empresas precisaram se adaptar ao dinamismo das operações internas e externas.

O RH não escapou a esse cenário de contínua mudança. Pelo contrário: muitas tendências surgem no âmbito da gestão de pessoas e podem endossar transformações mais profundas e abrangentes. Confira!

 

Blog  Tendências de RH que impulsionam a transformação

 

Gestão e retenção do conhecimento

 Ao contratar seu primeiro colaborador, você precisou se preocupar com a transferência de conhecimento, certo?

Esse processo, entretanto, jamais tem fim enquanto uma empresa mantém suas operações ativas. O RH é o responsável por administrar e reter o know how da organização.

Uma das principais tendências ligadas à democratização do conhecimento é a utilização da tecnologia gerencial para treinamentos e reciclagens.

Ao dispor de um repositório integrado, intuitivo e acessível, o líder de Recursos Humanos pode acomodar documentos pertinentes à operação e conteúdos de aprimoramento — por setor de trabalho ou por nível de acesso, o que for mais conveniente e oportuno.

Assim, o gestor ganha mais agilidade na capacitação da equipe e pode contar com profissionais mais preparados para enfrentar os desafios do mercado. Ponto para a sua empresa!

 

Flexibilidade de trabalho (local e horários)

 O equilíbrio entre vida profissional e pessoal, buscando maximizar a produtividade e a qualidade de vida, sempre foi um desafio. Há alguns anos, porém, a busca por jornadas mais flexíveis exigiu que o RH passasse a considerar opções.

Não seria exagerado dizer que a flexibilidade do trabalho é uma tendência da área. Afinal, quando existe uma demanda latente entre os colaboradores, é preciso tratá-la com carinho!

O problema é que, na maioria das vezes, a flexibilização impacta em outras questões importantes, tais como controle de jornada (o famoso ponto) e segurança dos dados (ao acessar informações corporativas em redes diversas). Por isso, o RH também precisa se preocupar com tecnologia — que, por sua vez, é um dos maiores motores de inovação.

Encontrar uma solução capaz de manter a integridade dos dados e, ao mesmo tempo, permitir o acompanhamento da produtividade na equipe faz toda a diferença.

 

Acompanhamento de performance

 E, falando em produtividade, chegamos ao momento perfeito para tratar de uma tendência muito valiosa: o monitoramento de performances. É fundamental que os líderes da área disponham de ferramentas e indicadores capazes de validar a performance do time.

É preciso que relatórios pessoais indiquem quanto tempo um determinado operador leva, em média, para executar uma tarefa específica, comparando o resultado com o padrão esperado. Esse tipo de informação empodera o RH e favorece a criação de planos de aprimoramento, visando potencializar o desempenho individual e coletivo.

 

O Areco ERP na gestão de RH

 Os recursos humanos são, sem dúvida, um dos insumos mais importantes às organizações competitivas. Para administrá-los de forma eficiente, o Areco ERP disponibiliza uma série de ferramentas diferenciadas.

No módulo, também é possível, por exemplo:

  • Arquivar a documentação de feedbacks, favorecendo o rápido acesso às ações de desenvolvimento propostas para o colaborador;
  • Monitorar e evolução de carreira do profissional, registrando datas e promoções de forma pormenorizada;
  • Extrair relatórios completos, com filtros personalizados, para entender tendências de perfil ou indicadores de absenteísmo.

 

O Areco ERP é a tecnologia ideal para potencializar rotinas internas e externas de RH. Ao mesmo tempo em que os gestores desfrutam de pleno domínio sobre as informações do quadro de colaboradores. A equipe de analista desempenha rotinas operacionais, especialmente relacionadas a obrigações trabalhistas, de forma mais rápida e segura.

Como alinhar as metas, métricas e indicadores neste período

Como alinhar as metas, métricas e indicadores neste período

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A rotina das empresas no mundo mudou radicalmente nas últimas semanas. A imprevisibilidade de um vírus forçou uma mudança significativa na dinâmica de trabalho da maior parte das organizações — de portes e segmentos variados. Como alinhar as metas, métricas e indicadores nesse período tem sido uma das dúvidas mais frequentes nesse cenário.

Depois do choque inicial, foi preciso partir à ação. Gestores de todos os níveis foram incentivados a alocar o time administrativo em esquema remoto, mantendo o engajamento e o nível de produtividade inalterados. A preocupação com metas, métricas e indicadores ganhou fôlego e nunca foi tão constante no dia a dia das lideranças!

Se você busca respostas confiáveis para algumas das dúvidas mais recorrentes neste período em casa, acabou de encontrar o conteúdo perfeito.

Boa leitura e bons insights!

 

Quais são os principais desafios do trabalho remoto?

As empresas mais tradicionais tinham certa resistência em relação ao trabalho remoto. A questão da produtividade costumava ser um ponto central: como manter o nível (e a qualidade) de entrega privando a equipe dos recursos corporativos e das interações diretas entre os departamentos?

A tecnologia foi, é e será a resposta para a maior parcela dessas dúvidas. A flexibilidade dos instrumentos, porém, não é capaz de eliminar todos os desafios do trabalho à distância. Os líderes precisam ficar atentos às melhores práticas e à dinâmica mais eficiente de controle, assegurando o rendimento da equipe em home office.

Confira, agora, alguns dos principais desafios do trabalho remoto e aprenda como contorná-los:

 

Alinhamento e manutenção de processos

A padronização de processos é importante em qualquer cenário, na empresa ou home office. Quando a equipe trabalha remotamente, porém, a necessidade de fluxos que funcionem, minimizando as chances de erro e de retrabalhos, fica ainda mais latente. É por isso que o alinhamento dos departamentos e a manutenção de processos — como entradas de NFs, por exemplo — é um desafio considerável ao trabalho remoto.

 

Comunicação clara e eficaz

Quando o time divide um mesmo ambiente, fica fácil recorrer a um profissional para tirar uma dúvida ou pedir um relatório, né? Em home office, entretanto, existem alternativas igualmente assertivas para garantir a interação da equipe. Aqui, você confere uma série de sugestões exclusivas para facilitar a comunicação entre os colaboradores.

 

Administração do tempo e produtividade

Em esquema de trabalho remoto, cada profissional tem mais autonomia para administrar as próprias demandas e priorizar as tarefas. O importante é garantir que tudo seja entregue no prazo previsto, sem prejudicar processos internos e externos. Vale a dica: o próprio ERP pode ser uma ferramenta importante no controle de produtividade, viu? Por meio de tickets individuais, é possível contabilizar o tempo gasto em cada demanda planejada.

 

Blog  Como alinhar as metas, métricas e indicadores neste período

 

Como alinhar metas, métricas e indicadores neste período em home office?

Métricas e indicadores, quase sempre atrelados às metas da companhia, são a bússola dos gestores de alta performance. No contexto empresarial, cada número pode representar um sucesso ou um fracasso — e, em ambos os casos, é necessário avaliar o cenário e tomar medidas para potencializar uma iniciativa ou corrigir um desvio.

O home office não minimiza a importância das análises e não pode invalidar essa rotina, viu? Mesmo à distância, o monitoramento do negócio deve permanecer sólido e ágil, respondendo prontamente às principais questões do negócio. “A meta de vendas (diária, semanal e mensal) está sendo batida?” e “o desperdício na linha de produção caiu em comparação à semana anterior?” são bons exemplos de perguntas estratégicas que devem continuar sendo respondidas.

Mais do nunca, em tempos de trabalho remoto você deve contar com o apoio da tecnologia. Abuse dos relatórios e dos dashboards customizados, estabelecendo as variáveis e os filtros mais adequados à sua operação e ao seu objetivo no momento. E não economize tempo na construção de cenários concretos! Isso faz toda a diferença na assertividade das decisões — ainda mais em tempos de incerteza.

Ao verificar o fluxo de caixa, por exemplo, fique atento à previsão do Contas a Receber e valide os investimentos previstos. Da mesma forma, identifique eventuais gargalos que podem incorrer em custos extras, evitando prejuízos desnecessários.

No Compras, por sua vez, convém analisar o IQF (Índice de Qualidade do Fornecedor) e com base na eficiência do parceiro, ponderar o histórico de negociações. Em alguns casos, uma revisão nos contratos gera economia significativa e fortalece o caixa da empresa.

Tudo isso — e muito mais, do RH ao Fiscal — pode e deve continuar funcionando à distância. E mais: o acesso não fica restrito aos líderes, que se encarregam de funções mais gerenciais e estratégicas, mas é estendido a toda a equipe via nuvem ou VPN (Virtual Private Network), favorecendo a continuidade da operação de modo orgânico e produtivo.

 

Areco ERP em tempos de home office

O Areco ERP está disponível em duas modalidades: on premise e on cloud. Na primeira, a infraestrutura é local e a equipe pode utilizar o sistema normalmente via VPN. Na segunda, a tecnologia fica hospedada na nuvem e o acesso é online, eliminando barreiras comuns ao trabalho remoto. Importante: tanto on premise ou on cloud têm estratégias e recursos para preservar a integridade dos dados, mantendo-os protegidos.

Diante disso, a resposta sobre como alinhar metas, métricas e indicadores fica mais evidente: é preciso contar com processos estabelecidos e tecnologias eficientes de forma a suportar as rotinas e manter a qualidade das entregas. Fique tranquilo: o home office não é uma ameaça à produtividade da sua operação!

 

A força do imprevisível: por que aproveitar o momento para repensar recursos e estratégias?

A Areco Sistema Empresariais respira tecnologia há mais de 30 anos. De lá para cá, o mundo mudou bastante e nossas soluções acompanharam a evolução do mercado e das empresas. Mais do que um sistema integrado de gestão, oferecemos uma ferramenta democrática de empoderamento, capaz de automatizar rotinas do chão de fábrica à alta administração de modo dinâmico, transparente e simultâneo.

Em momentos de insegurança, a tecnologia é uma das únicas certezas. O Areco ERP está disponível em nuvem, facilitando o acesso remoto da equipe sem comprometer a segurança dos dados, e conta com integrações essenciais em período de trabalho à distância.

O Dashboard, por exemplo, é ideal para que líderes customizem a visualização rápida de seus números mais importantes e, assim, mantenham a operação produtiva mesmo em casa. Por outro lado, o Areco e-Commcerce é a resposta a uma demanda digital cada vez maior — principalmente em tempos de isolamento social.

Sob a ótica empresarial, o momento é de apreensão, mas também de aprendizado. Aproveite para repensar seus recursos e reavaliar sua infraestrutura, principalmente no que se refere à disponibilidade tecnológica.

Vale a pena, inclusive, citar a lógica do Cisne Negro, conceito criado por Nassim Taleb, para evidenciar a importância de se preparar para o inesperado. O futuro é essencialmente imprevisível e a orientação é: “ame o risco quando você pode perder pouco; odeie o risco quando você pode perder muito”.


A Areco Sistemas Empresariais é sua parceira agora, amanhã e sempre. Conte conosco para superar as dificuldades do cenário atual e, é claro, preservar o crescimento do seu negócio a médio e longo prazo. Estamos aqui para você.

Como podemos ajudar?

Como migrar para o Home Office após o isolamento social

Como migrar para o Home Office após o isolamento social

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Tempo de leitura: 15 minutos


Sabemos que você já deve ter lido milhares de conteúdos de Home Office por aí, nós também lemos. A realidade é que não estamos vivendo dentro de um movimento de escala mundial onde a maioria das pessoas resolveu aderir ao trabalho remoto, estamos vivendo um cenário de incertezas e de isolamento social onde qualquer tipo de conteúdo relacionado ao tema ganha uma enorme força e o bombardeio de informações muitas vezes satura.

Uma coisa é certa, a mentalidade da maioria das pessoas será outra dentro das organizações pós pandemia, mas essa não é uma afirmação para assustar e sim, com o intuito de preparar você, nosso leitor, para novos cenários tecnológicos, como por exemplo a adesão definitiva do Home Office, ferramentas para auxiliar esse tipo de trabalho, dentro outros. E, modéstia parte, de tecnologia a gente entende bem!

Então, nos acompanhe e boa leitura! 😀

Ferramentas para colaborar a distância

Muitas ferramentas já existiam no mercado para auxiliar os profissionais que utilizavam deste método de trabalho, entretanto hoje elas estão em alta e podem colaborar e agregar na nossa rotina profissional. De todo modo, como abordamos na introdução: estamos dentro de um cenário em que precisamos correr contra o tempo para nos adaptarmos à rotina remota. Algumas empresas já viviam essa realidade, outras não – então não se sinta pressionado(a) a aderir e entender todas as dicas que damos aqui, faça no seu tempo e dentro da sua realidade.

A seguir veremos algumas dessas ferramentas e suas funcionalidades. Muitas delas você provavelmente já deve ter ouvido falar, mas agora saberemos um pouco mais sobre o que elas realmente podem nos trazer de benefício.

Vamos separar por algumas categorias para facilitar!

Vídeo Conferência

  •  Zoom

O Zoom é um serviço de videoconferência baseado em nuvem que você pode usar para se encontrar virtualmente com outras pessoas por vídeo ou somente áudio ou ambos, durante a realização de bate-papos ao vivo e permite gravar essas sessões para visualização posterior.

  • Hangouts

Seguindo quase que os mesmos parâmetros do Zoom, o Hangouts consiste em uma plataforma de comunicação a distância de mensagem instantânea desenvolvida pelo Google, onde você pode realizar chamadas de texto, áudio ou vídeo com mais de uma pessoa.

  • Skype

É um software usado comumente no computador que foi substituto do conhecido MSN, hoje em dia você consegue conversar por texto, áudio e vídeo também. O Skype é gratuito para download e utilização, mas existem algumas funcionalidades que são pagas. Pode ser utilizado no celular, no computador ou no tablet.

 

Armazenamento em nuvem

  • Google Drive

O Google Drive um software em nuvem que cria e armazena documentos, permite edição e acesso a mais de uma pessoa e tem um excelente mecanismo de busca de arquivos.

  • OneDrive

Funciona basicamente da mesma forma que o Google Drive, porém a opção da Microsoft – OneDrive – oferece o melhor custo-benefício atualmente: armazenamento infinito com um valor menor que os concorrentes.

  • Dropbox

O Dropbox armazena e compartilha arquivos, faz backup automático e oferece espaço extra para cada pessoa que você recomendar.

 

Planejamento

  •  Google Calendar

 É um serviço de agenda e calendário on-line oferecido gratuitamente pela empresa Google. Disponível em uma interface web, dentro do Google Calendar, é possível adicionar, controlar eventos, compromissos, compartilhar a programação com outras pessoas, agregar à sua agenda diversas agendas públicas, entre outras funcionalidades.

  • Trello

O Trello é uma plataforma popular de gerenciamento e organizações de tarefas, individuais e em equipe. Seu funcionamento básico consiste em quadros, incluindo objetivos, que são distribuídos entre colunas. Possui muitas opções de customização e pode se adaptar conforme as demandas de cada usuário.

E por último e não menos importante:

  • Projeto #matrix

 A #matrix é um escritório virtual, que traz a experiência do escritório físico, com várias salas e espaços de trabalho. As pessoas podem entrar e sair, mostrar onde estão presentes, comunicar-se e fazer videoconferências.

Como funciona?

É uma ferramenta gratuita open source funciona em três pilares fundamentais:

  • Presença. É possível ver todas as pessoas online no momento e suas interações (com quem estão falando, se estão em reunião ou se estão disponíveis).

 

  • Conversar com alguém se torna tão fácil quanto ir à mesa da pessoa e trocar duas palavras. Para citar um exemplo: a função chamada “Get” (acionada com o botão direito do mouse) avisa rapidamente que você quer falar com o seu colega de trabalho e o convida para entrar numa sala de reuniões virtual.

 

  • É possível ver quais as conversas que estão acontecendo no escritório naquele momento. O usuário pode optar por participar dessas conversas (como se estivesse batendo à porta de uma sala em que uma reunião está ocorrendo), ou ainda esperar a reunião terminar para interagir com os participantes quando eles estiverem disponíveis.

Vimos o quão útil e colaborativas essas ferramentas podem ser durante na rotina de Home Office, certo? Mas será que somente isso é o necessário para ter uma rotina de trabalho mais eficaz e produtiva? A resposta é: não! A principal medida para obter esses resultados parte de nós mesmo!

 

 

Benefícios do trabalho home office

 O trabalho Home Office pode ser benéfico em vários aspectos, tanto para você quanto para o meio ambiente, vamos ver alguns benefícios:

 

  1. Menos estresse

Trabalhar em casa com certeza é menos estressante, pois você está no seu “habitat natural”, em um ambiente mais dinâmico, confortável e, em alguns casos, na companhia de quem você ama, seja seus bichinhos de estimação ou familiares. Além disso, não temos que nos locomover para ir ao posto de trabalho, não utilizamos nenhum meio de transporte e, desta forma, aliviamos ainda mais o estresse.

O estresse é responsável por problemas graves de saúde e pode levar ao infarto. De acordo com especialistas, o trânsito é um dos grandes vilões do estresse. A busca por ganho de tempo e espaço, associados à falta de educação dos motoristas, contribui para a proliferação do estresse.

 

  1. Flexibilidade e assertividade no cumprimento da jornada de trabalho

 Em casa, não contamos com divergências ou interrupções externas que podem atrapalhar a realização do nosso trabalho, como: engarrafamentos, acidentes de trânsito, interdições, problemas com nosso veículo ou transporte público. Esses fatores fazem com que nos atrasemos alguns minutos ou até faltemos no trabalho, prejudicando a nossa jornada de trabalho, entrega de projetos, reuniões e outros eventos com hora marcada. Só temos que nos atentar e ter compromisso com o horário estabelecido pela empresa, cumprindo suas horas da forma mais assertiva possível.

 

  1. Local de trabalho adequado

Nada de ficar no sofá ou na cama para trabalhar, hein? Isso faz com que fiquemos mais cansados e dispersos. Organize um espaço de trabalho que seja a sua cara e personalize de acordo com suas necessidades. Se possível separe um cantinho seu, uma mesa, por exemplo, com seu notebook/desktop e seus utensílios de trabalho, como caderno, canetas, agenda, entre outros.

Apesar de estarmos em casa, ainda estamos trabalhando! Ter um ambiente adequado de trabalho na sua casa faz com que sua produtividade aumente.

 

  1. Conforto

 Estando no conforto e na intimidade da sua casa as ideias e a sua energia fluem muito mais, assim podemos direciona-las para o que realmente é necessário. Além disso, podemos tirar aquele cochilo na hora do almoço, preparar a nossa comida ou o cafezinho da tarde do nosso jeitinho! E claro, é importante se atentar à não passar o dia de pijama, porém as roupas para trabalho podem ser mais descontraídas e confortáveis.

 

  1. Liberdade e autonomia

 Criamos mais liberdade e autonomia para realizar as nossas tarefas, conseguimos nos organizar da forma que acharmos melhor com base na prioridade de cada assunto. Não temos distrações com nossos colegas de trabalho e líderes.

 

  1. Leis trabalhistas

 Fiquem tranquilos, todos estão assegurados pela lei. A reformar trabalhista, que já entrou em vigor, considera o trabalho Home Office como trabalho formal. A realização de atividades, como é feito e controle de jornada devem estar em seu contrato de trabalho.

A lei também estabelece o fato de que as empresas que optarem por esta opção devem oferecer todo material e equipamento necessário para o colaborador realizar o trabalho em casa.

 

  1. Economia

Em casa não precisamos gastar com restaurantes na hora do almoço, nem com combustível ou transporte público, desta forma, além e termos mais tempo com nossos familiares economizamos dinheiro.

 

Cuidados com o Home Office e o isolamento social

 

Muitas pessoas em isolamento estão ansiosas, nervosas, entediadas e as vezes sem ter o que fazer. Pensando nisso separamos algumas dicas para aliviar o estresse e a ansiedade:

 

  • Se distraia, leia um livro, assista uma série ou filme, ouça músicas que você gosta, existem diversas playlists relaxantes em aplicativos de músicas na internet;

 

  • Aproveite o boom de cursos online e gratuitos que diversas empresas estão oferecendo;

 

  • Pratique exercícios físicos, tire um tempinho para fazer um alongamento, uma sessão de polichinelos, agachamentos e etc. diversas academia estão disponibilizando uma rotina de exercícios que podem ser feitos em casa gratuitamente;

 

  • Respire fundo, controle sua respiração, conte até 10, pratique relaxamento diário, isso ajuda a controlar seu estresse e ansiedade além de fazer você dormir melhor;

 

  • Fique longe do estresse, não fique 100% antenado a qualquer notícia negativa na mídia, isso não faz bem, nossa cabeça também precisa de notícias boas, peça para te informarem caso algo realmente importante aconteça ou tenha alguma mudança significativa;

 

  • Tome um chá. A maioria dos chás possui substâncias que funcionam como calmantes suaves e podem ajudar no controle da ansiedade diária. Os chás indicados são: a passiflora, a melissa, a camomila e a valeriana.

 

  • Dedique um tempo para você, tome um banho relaxante, cuide das unhas, dos cabelos, do corpo, sinta-se bem, vista a roupa que mais gosta. Aprecie a sua companhia e a de quem você ama;

 

  • Mantenha sempre pensamentos positivos em mente, por mais que seja difícil, tente controlar os pensamentos negativos e mantenha o foco no que realmente é importante e real;

 

Esperamos que este artigo tenha esclarecido alguns pontos e ajudado no que for necessário nesse período de isolamento. A Areco oferece também soluções Home Office – caso seja do seu interesse ou da sua empresa, entre em contato conosco e fale com um de nossos especialistas!

Blog Sem categoria  Como migrar para o Home Office após o isolamento social

Lei Geral de Proteção de Dados: o que é e como se preparar?

Lei Geral de Proteção de Dados: o que é e como se preparar?

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

 

O segundo semestre de 2020 marcará o início de uma nova era digital. A LGPD, Lei Geral de Proteção de Dados, entra definitivamente em vigor em agosto e exigirá que as empresas se adaptem a uma nova realidade de dados.

Se você ainda está inseguro com as implicações da LGPD na sua operação, é hora de conhecer os detalhes da lei e, claro, de esclarecer as principais dúvidas sobre o tema. É importante que você e seu negócio estejam preparados para ajustar processos e, assim, manter a conformidade da companhia frente às exigências do Governo.

Boa leitura!

O que é a LGPD?

De número 13.709, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) foi sancionada em 2018 e entrará em vigor no próximo mês de agosto. A regulamentação prevê que as organizações são responsáveis pela segurança, pela privacidade e pela autorização dos indivíduos no que diz respeito à utilização de informações pessoais.

O objetivo da medida é regulamentar o uso desses dados em território nacional. Em última escala, a LGPD foi criada de forma a proteger os direitos fundamentais de liberdade e privacidade — e a maior parte das empresas precisarão se adaptar à nova demanda.

A lei se aplica a qualquer entidade — seja ela física ou jurídica, pública ou privada — que trate informações de pessoas físicas. Vale, inclusive, para os dados coletados antes mesmo do exercício da LGPD, combinado? Por isso, as chances de você precisar ajustar sua rotina à normativa são grandes.

Blog  Lei Geral de Proteção de Dados: o que é e como se preparar?

Como a LGPD funciona?

De forma geral, a Lei Geral de Proteção de Dados dispõe sobre o consentimento da coleta e sobre o tratamento de informações pessoais. Além disso, a LGPD também rege detalhes sobre:

  • os dados que podem ser coletados;
  • a maneira com que isso pode (e deve) ser feito;
  • o tipo de autorização necessária, por parte do indivíduo;
  • por quanto tempo os dados podem permanecer em poder da empresa;
  • para qual finalidade as informações retidas podem ser utilizadas.

A LGPD não distingue a coleta eletrônica de coleta manual, aquela feita em papel. As novas exigências valem para ambos e demandam que a empresa assegure a segurança, a inviolabilidade e o uso correto das informações que gerenciam.

E mais: a qualquer momento, o indivíduo pode requerer que seus dados, bem como seu histórico, sejam permanentemente deletados do banco de dados.

Como se preparar para a LGPD?

A implantação da Lei Geral de Proteção de Dados exigirá que as organizações reavaliem seus processos em uma escala bem ampla. Rotinas administrativas, financeiras, comerciais e de marketing, por exemplo, podem sofrer alterações para atender à regulamentação. Você, seus processos e suas ferramentas também terão que se ajustar.

Mas, agora, nada de pânico! Sim, é importante que você mergulhe nas suas operações e relacione aspectos passíveis de mudança; mas não precisa se desesperar com a amplitude das transformações. A gente te ajuda a desvendar os mistérios da LGPD e a se preparar para a implementação da lei.

  1. Forme um grupo de trabalho

A multidisciplinaridade é importante, viu? Considerando que as mais diversas áreas da companhia serão afetadas pela medida, é inteligente reunir um grupo misto de trabalho para discutir os aspectos da LGPD e identificar os impactos em cada etapa da operação. O documento completo está disponível aqui.

  1. Alinhe a equipe

É fundamental que a equipe mapeie e entenda a maneira correta de coletar, armazenar e empregar os dados de clientes e fornecedores, por exemplo. Na maioria dos casos, será necessário adequar culturas e comportamentos, associando novos hábitos e ferramentas. Por isso, garanta que todo o time esteja ciente das novas obrigações e engajado no cumprimento delas.

  1. Crie e ajuste processos

A revisão de processos e de documentações é uma das principais implicações da LGPD. Além de se preparar para coletas eficientes e armazenamento transparente, você também precisará se organizar para eventuais solicitações de dados — sempre que um usuário desejar que seu histórico seja resgatado ou pedir o termo de consentimento, no qual você deve assegurar o aceite.

  1. Implemente soluções aderentes

Empresas que lidam com grande volume de dados deverão contar com auxílio extra na adequação à LGPD. Neste caso, a tecnologia de gestão desponta como um excelente catalisador de operações. A missão de coletar, armazenar, utilizar ou descartar as informações, no intuito de maximizar a segurança, exigirão cada vez mais o esforço concentrado para centralizar, automatizar e integrar dados.

Quais funcionalidades do ERP são valiosas ao cumprimento da LGPD?

Como já mencionamos, o software integrado de gestão pode ser um aliado indispensável na adequação da sua empresa à Lei Geral de Proteção de Dados.

Algumas funcionalidades do ERP são preciosas no cumprimento das exigências legais da nova legislação e podem significar uma transição menos traumática e mais produtiva à era da LGPD. Entre as ferramentas disponíveis em um sistema robusto e aderente, vale ressaltar, por exemplo:

  • os diferentes níveis de acesso a cada tipo de usuário, permitindo que os gestores limitem a navegação às telas e/ou aos relatórios disponíveis no ERP, preservando o que é confidencial desde o primeiro login;
  • o armazenamento automatizado de termos de consentimento, permitindo que os documentos sejam facilmente anexados ao cadastro do indivíduo (seja ele cliente, colaborador, fornecedor ou parceiro), facilitando o resgate a qualquer tempo.

Não é exagero dizer que cada companhia precisará voltar os olhos à sua operação para, só então, entender a complexidade da implantação de medidas assertivas na proteção aos dados que controla.

Em muitos casos, a melhor alternativa pode ser recorrer a consultorias especializadas, capazes de descomplicar as exigências e de sugerir os caminhos mais coerentes para a adequação. O investimento vale a pena: as multas por descumprimento podem chegar a 2% do faturamento corporativo, limitando-se a R$ 50 milhões. Melhor se antecipar, não é mesmo?

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) já é uma realidade e você precisa preparar seu negócio o mais breve possível. Conte com gente!

Blog  Lei Geral de Proteção de Dados: o que é e como se preparar?

Como escolher o melhor ERP?

Como escolher o melhor ERP?

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Tempo de leitura: 13 minutos


Antes de mais nada, vale lembrar que, quando se trata de escolher a tecnologia que organizará os processos da sua empresa, tornando-a cada vez mais enxuta e produtiva, o que vale não é somente o melhor ERP, mas o ERP mais aderente à sua operação.

Para garantir a assertividade da escolha, incorporando o software mais robusto e adequado ao negócio, a dica é simples: mergulhe nas funcionalidades e expanda as bases de comparação. Uma análise detalhada e criteriosa faz toda a diferença no resultado final — e pode determinar a performance da empresa no curto, médio e longo prazo.

Caso você ainda se sinta inseguro com as variáveis tecnológicas, encontrando dificuldades para entender as demandas dos processos que a equipe expõe, respire fundo e continue lendo. Você tem em mãos um guia prático e transparente para desvendar os mistérios do ERP e, assim, chegar à solução ideal para as necessidades da sua operação.

Neste conteúdo, você conhecerá os principais critérios de análise para sistemas integrados, respeitando as particularidades da companhia, e saberá quais são as dicas mais valiosas para não errar na decisão.

 

Por que se preocupar com o ERP?

Se você não esteve em Marte nos últimos 30 anos, provavelmente sabe que a tecnologia de gestão está revolucionando o mundo dos negócios.

 

Blog Sem categoria  Como escolher o melhor ERP?

 

Não se trata apenas de comprar com condições mais atrativas, e de vender com margens mais seguras. Estamos, na prática, falando de otimização de ponta a ponta — aquela que contempla desde a engenharia de produto na fábrica até a economia fiscal por meio de um planejamento tributário mais consistente.

E se apenas uma ferramenta pudesse dar conta de toda essa complexidade, integrando dados das mais diversas áreas e consolidando-os em análises aprofundadas e até específicas? Isso existe e está ao alcance de qualquer empresa, independentemente do porte ou do segmento em que atue. Muito prazer, agora você conhece um pouco mais sobre o ERP.

O Enterprise Resource Management (ERP), ou Sistema Integrado de Gestão Empresarial é um importante catalisador de resultados. A tecnologia é um parceiro excepcional dos líderes corporativos: primeiro, porque centraliza todas as informações da empresa; depois, porque simplifica as operações cotidianas para que haja mais tempo para desenvolver uma estratégia verdadeiramente competitiva.

Agora, pense e diga: esses motivos parecem suficientes para confirmar a necessidade de se preocupar com a efetividade do ERP ideal para a sua organização?

Caso a resposta ainda seja negativa (ou você tenha hesitado em responder que sim), talvez valha a pena explorar mais alguns fatores essenciais. O ERP, enquanto recurso indispensável à alta performance, é perfeito para alavancar todos os departamentos da companhia. A tecnologia é valiosa para, por exemplo:

 

  • maximizar a produtividade na fábrica, garantindo que os projetos estejam padronizados e possam ser facilmente executados;

 

  • otimizar a compra de matérias-primas e produtos acabados, uma vez que há total integração entre o Comercial e o Compras, viabilizando negociações mais coerentes enquanto agiliza a rotatividade do estoque de acordo com padrões predefinidos (tais como FIFO e FEFO);

 

  • acelerar a coerência e a lisura fiscal, contribuindo diretamente para o planejamento tributário e para o recolhimento adequado de tributos;

 

  • facilitar o acompanhamento completo de desempenho, do RH ao Comercial, permitindo que uma série de relatórios sejam facilmente emitidos em poucos cliques e em poucas telas.

 

Na prática, os módulos do ERP garantem uma gestão mais enxuta, eficiente e produtiva. Mas, antes de qualquer decisão, cuidado: existe um sistema aderente ao seu negócio e você precisa entender como fazer a melhor escolha.

A boa notícia é que, nas próximas linhas, você vai saber exatamente o que deve avaliar ?

 

Como escolher o melhor ERP?

Não é exagero dizer que não existe o ERP perfeito — mas, sim, a tecnologia mais aderente às suas necessidades e operações. É por isso que a escolha de um sistema completo, capaz de integrar áreas e simplificar processos, é uma questão que exige cautela e análise.

Para acertar na decisão, batendo o martelo com a tranquilidade de quem está convicto de ter tomado o caminho mais assertivo, é preciso olhar com atenção a alguns aspectos-chave do cotidiano corporativo.

Certifique-se de mergulhar nas demandas da empresa e de imergir no potencial de cada departamento, extraindo o que pode ser melhorado e quais vantagens competitivas devem ser construídas por meio da tecnologia de gestão.

Precisa de ajuda para refletir? Ótimo: veja, a seguir, alguns dos fatores mais relevantes no momento de escolher o ERP ideal para sua empresa!

 

  1. Olhe para dentro

Tudo começa no seu próprio dia a dia. Ninguém melhor do que você e sua equipe — do chão de fábrica ao BI (Business Intelligence) conhece melhor as necessidades da empresa.

Por isso, busque compreender em profundidade quais são as maiores dificuldades dos profissionais que fazem o negócio acontecer. É difícil extrair um relatório que indique a eficiência da compra de insumos? Temos aí, um ponto crítico para resolver. É complicado acompanhar a performance dos colaboradores com base em métricas transparentes e universais? Melhor correr para entregar resultados cada vez mais expressivos.

O primeiro passo, portanto, é olhar para dentro e entender o que precisa ser ajustado. E lembre-se: o papel do gestor, neste contexto, é super nobre. Cabe a você a missão de investigar as carências da companhia e definir um rumo coeso para supri-las do modo mais completo possível, combinado?

 

  1. Reúna seus recursos

Você certamente já dispõe de recursos primordiais para viabilizar o máximo desempenho na companhia (e a gente pode provar!). Os líderes de cada departamento — o gerente de RH e o supervisor de produção, por exemplo — são peças-chave na otimização de processos e de resultados, já que conhecem a rotina com a propriedade de quem coloca a mão na massa.

Nesta fase, é importante aproximar-se de quem domina o assunto. Assim, você consegue entender exatamente com o que — ou com quem — pode contar no momento de sugerir uma alavancagem tecnológica na empresa.

Não conseguiu visualizar esse cenário? É fácil resolver o problema. Se você quer aprimorar a gestão de projetos no PCP, por exemplo, precisa de alguém que possa definir as etapas produtivas e padronizar as orientações sistêmicas. Se você já tem a pessoa certa para isso e conta com as informações necessárias para viabilizar essa iniciativa, ótimo! Tudo o que você precisa tem apenas três letras: ERP!

 

Blog Sem categoria  Como escolher o melhor ERP?

 

  1. Defina as prioridades

Quem está à frente de uma operação tradicional e enxuta sabe que, no mundo real, é difícil focar em todas as operações de uma só vez. Seria ótimo implantar soluções completas e integradas em todas as esferas corporativas e de uma só vez, criando rotinas mais transparentes e eficazes em todos os setores da organização, não é?

O problema é que, muitas vezes, o cenário ideal não é o mais realístico, seja por falta de mão de obra — profissionais capazes de digerir a complexidade tecnológica, compartilhando-a com uma equipe ávida por resultados mais positivos — ou por uma questão de fluxo de caixa — que exige que investimentos sejam diluídos ao longo de um determinado período —, a verdade é que há prioridades que devem ser mantidas.

Ao decidir implantar o ERP ideal para o seu negócio, tenha em mente quais são suas necessidades mais urgentes. Precisa de uma frente de loja integrada à gestão de estoque e à escrituração fiscal? Ótimo, comece por aí. Sua maior demanda é no PCP e você não pode continuar ignorando as falhas de qualidade no processo? Sem hesitar, busque um software capaz de reduzir sua dor de cabeça com produtos acabados e, de quebra, eliminar o retrabalho na fábrica.

No fim do dia, só você e sua equipe podem decidir o movimento mais viável. Uma coisa, porém, é inegável: o ERP certo, aquele que se molda com facilidade às suas operações e preenche com propriedade as lacunas processuais, é um investimento com retorno já no curto prazo.

 

Blog Sem categoria  Como escolher o melhor ERP?

A essa altura, deu para perceber que a escolha certeira de um ERP exige uma análise crítica e uma certa dose de mão na massa, certo? Para além de qualquer dificuldade, entretanto, a tecnologia de gestão abre um novo horizonte de possibilidades poderosas, prontas para otimizar recursos — físicos, financeiros, humanos e de tempo — e para alavancar resultados no curto, médio e longo prazo.

Não dá para ignorar essa promessa. Concorda? E você só precisa de uma boa decisão para isso.

 

Por que o Areco ERP é a melhor escolha?

A tecnologia de gestão é uma fonte inesgotável de análises e faz jus à sua importância na rotina das empresas mais competitivas. E não seria para menos, né? O software integrado é um valioso aliado das companhias (e dos líderes) de alta performance, empoderando profissionais e departamentos para que os resultados coletivos sejam cada vez mais significativos.

O Areco ERP é a tecnologia que acompanha empresas e pessoas, favorecendo o desenvolvimento operacional enquanto aprimora a capacidade estratégica do negócio. Nós provemos a inteligência de negócios para que você possa extrair o máximo potencial dos recursos disponíveis, fazendo a diferença no mercado.

É fácil entender o motivo de tanta eficiência: o Areco ERP automatiza processos, elimina o retrabalho e minimiza as chances de erro nas atividades rotineiras, integrando departamentos e agregando valor aos processos corporativos.

Do back office ao balcão, passando pelo PCP e pelo compras, o software centraliza informações e facilita a visualização completa de dados, permitindo que os líderes estejam sempre na dianteira de suas operações e conheçam profundamente as suas necessidades. Duvida? São milhares de telas amigáveis para facilitar rotinas integradas e mais de 2.000 relatórios já disponíveis na base do Areco ERP. Um verdadeiro mapa do tesouro — com a bússola para indicar o caminho do melhor desempenho.

O Areco ERP é um sistema 100% modular e que permeia todo o workflow corporativo. Além disso, é multimoedas, multiempresas e multi-idiomas, favorecendo o desenvolvimento sustentável e escalável do seu negócio.

Pode respirar fundo e ficar tranquilo: se, no início, você não tinha certeza sobre como escolher o melhor ERP, agora você está frente a frente com a tecnologia ideal para atender às suas necessidades mais urgentes e, claro, também para suportar a suas ambições mais estratégicas.

Explore todo o potencial do Areco ERP no seu dia a dia!

Blog Sem categoria  Como escolher o melhor ERP?

Controle de perdas na indústria de Alimentos e Bebidas: como a tecnologia pode ajudar!

Controle de perdas na indústria de Alimentos e Bebidas: como a tecnologia pode ajudar!

Os números brasileiros no segmento de Alimentos e Bebidas são superlativos e demonstram a importância do ramo na economia nacional. Em primeiro lugar, cabe dizer que o setor emprega 20% de toda a massa de trabalho envolvida na indústria de transformação e que o faturamento da área representa 9,6% do PIB total do país, arrecadando cerca de R$ 656 bilhões em 2018 — um crescimento de 2,8% em relação ao período anterior.

A robustez dessa vertical, que mesmo em tempos de economia incerta não perdeu o fôlego, endossa outra conclusão bastante significativa: para que se mantenham saudáveis e lucrativas, enfrentando uma concorrência cada vez mais qualificada e competitiva, também de olho no dinheiro que o segmento movimenta ano a ano, é preciso investir em estratégias diferenciadas, em inovação de processos e em otimização de rotinas.

Na indústria de Alimentos e Bebidas, assim como tantos outros tipos de negócio, o monitoramento operacional é uma questão chave. Os gestores mais engajados, focados em resultados de alta performance, estão conscientes de que qualquer desvio na linha de produção — da qualidade do insumo utilizado na fábrica ao monitoramento de lotes no estoque — pode causar prejuízos expressivos e, muitas vezes, irrecuperáveis.

O controle de perdas, no que diz respeito à capacidade de minimizar erros e de suprimir desperdícios, é certamente uma das preocupações mais urgentes na indústria de Alimentos e Bebidas. Com o objetivo de alinhar a produção e de angariar resultados cada vez mais exponenciais, as lideranças corporativas precisam se atentar a fatores que, se negligenciados, podem alterar a dinâmica produtiva e impactar negativamente nos cofres do negócio.

A importância do controle de perdas na indústria de Alimentos e Bebidas

A otimização de recursos — para fazer mais com menos, valorizando insumos e investimentos — é a palavra de ordem das empresas modernas. Na indústria de Alimentos e Bebidas, por exemplo, a questão é ainda mais séria: considerando as características da produção, não é possível entregar nada menos do que a excelência. Processos de qualidade, bem como fluxos de controle de perdas, são essenciais ao desenvolvimento das organizações do segmento.

Há, portanto, dois aspectos complementares e fundamentais no cotidiano operacional das indústrias alimentícias: por um lado, é necessário alavancar a produtividade, garantindo que as linhas sejam exploradas em todo o seu potencial. Por outro, é preciso garantir a viabilidade da fábrica, reduzindo desperdícios a fim de potencializar a lucratividade.

Dessa forma, a importância de controlar as perdas fica evidente: para suprimir problemas, melhorar a capacidade produtiva da fábrica, aumentar as margens do negócio e favorecer o crescimento enxuto, orgânico e perene da empresa, vale investir em um monitoramento contínuo para prevenir desperdícios.

O papel da tecnologia no controle de perdas

O mercado de TI cresce a passos largos — a previsão é que bata a casa dos 10,5% neste ano — e há uma explicação relativamente simples para números tão positivos: para fazer frente à competitividade do mercado, as empresas contemporâneas estão buscando soluções robustas para integrar operações e otimizar recursos.

A tecnologia de gestão é, por sua vez, a ferramenta mais adequada às metas ambiciosas de crescimento. De acordo com levantamento feito pela Deloitte, o contexto da Transformação Digital vai alterar profundamente a realidade industrial tal qual a conhecemos já nos próximos anos. O cenário é desafiador, mas reserva grandes oportunidades evidencia a urgência de investir em mecanismos capazes de integrar, otimizar a maximizar as operações corporativas.

De forma a dar suporte às operações, do chão de fábrica à estratégia corporativa, o software de gestão desponta como um aliado indispensável à sobrevivência e à competitividade. A partir da centralização de dados, que confere agilidade aos processos ao mesmo tempo em que aumenta a capacidade analítica das lideranças, é possível repensar estruturas e estratégias mais alinhadas à realidade empresarial da atualidade.

Diante disso, não seria exagerado afirmar que o sistema integrado de gestão tem papel fundamental no controle de perdas da indústria de Alimentos e Bebidas — do recebimento de insumos ao pagamento de tributos obrigatórios. Toda a operação, do chão de fábrica ao administrativo, é frontalmente beneficiada por operações automatizadas, controles padronizados e métricas robustas.

Na produção alimentícia, o controle de perdas é favorecido (e mantido) a partir de funcionalidades bem estabelecidas, tais como:

  • padronização de operações, incluindo a engenharia de produtos e o fluxo detalhado de produção, evitando desvios que prejudiquem a linha e, por consequência, interfiram no produto final;
  • controle de qualidade, assegurando a liberação de mercadorias seguras e em consonância às normas previamente estabelecidas;
  • monitoramento de estoque, garantindo que os itens já finalizados sigam definições específicas de escoamento (FIFO, LIFO E FEFO, por exemplo) para eliminar desperdícios e prejuízos.

Na prática, o ERP é a tecnologia responsável por empoderar profissionais e gestores, permitindo que explorem os recursos disponíveis da forma mais eficiente possível. O sistema integrado de gestão é, já há muito, um poderoso cúmplice empresarial na busca por crescimento e lucratividade.

O Areco ERP no controle de perdas da indústria de Alimentos e Bebidas

O Areco ERP é uma ferramenta completa e totalmente aderente às principais demandas das indústrias de Alimentos e Bebidas. Dentre os benefícios do software ao segmento, principalmente no que compete ao controle de perdas — da produção à distribuição —, destacam-se:

  • o controle de engenharia reversa (quando um insumo resulta em vários produtos e subprodutos);
  • o acesso a informações de produção, viabilizando a formação de custos;
  • formatação de tabelas nutricionais, atendendo às exigências legais para o segmento;
  • emissão e consulta de laudos técnicos sob medida, de acordo com especificações personalizadas.
  • práticas de Qualidade Total (ISO), com domínio de lotes e rastreabilidade de matérias-primas e produtos acabados.

A mensagem final, portanto, é clara: para reduzir perdas, impulsionar retornos e ganhar competitividade, as indústrias de Alimentos e Bebidas precisam aprimorar seus processos. E, neste aspecto, as que investirem em tecnologia de ponta — principalmente em um ERP completo e atualizado, preparado para atender todas as demandas do setor — estarão à frente de um mercado altamente volátil e desafiador.

Quer saber como podemos ajudá-lo a melhorar a controlar as perdas produtivas e, assim, maximizar a lucratividade da fábrica?

O ERP na gestão financeira: como tomar as melhores decisões

O ERP na gestão financeira: como tomar as melhores decisões

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O departamento financeiro é uma área bastante sensível, mas também altamente estratégica. A boa gestão dos recursos monetários, assim como a eficiência no planejamento de despesas e investimentos, é indispensável à saúde de qualquer negócio, independentemente do porte ou do segmento em que atue.

A transparência financeira, obtida por meio de processos coesos e orgânicos, é fundamental na operação cotidiana do setor. A missão de administrar os números da empresa — acompanhando a movimentação de valores e assegurando a viabilidade dos processos — é, além de prioritária, também uma questão de sobrevivência.

A tecnologia de gestão é, neste contexto, uma ferramenta valiosa aos gestores da área. Ao facilitar o acesso a análises complexas (por séries históricas ou períodos predefinidos, por exemplo) e ao permitir a extração de informações atualizadas (via dashboards, gráficos e relatórios customizados), o ERP maximiza o controle da operação e garante mais autonomia e segurança na tomada de decisão.

Um dos maiores desafios financeiros da atualidade é justamente a capacidade de otimizar procedimentos e resultados. Para ser capaz de entregar números cada vez mais expressivos e exponenciais, os gestores financeiros devem voltar os olhos aos mecanismos de que dispõe — e às oportunidades que estão deixando passar.

 

O ERP na gestão financeira

A tecnologia ganha cada vez mais espaço na rotina empresarial. Da produção ao comercial, recursos de gestão que agreguem agilidade e efetividade aos processos são essenciais para manter a competitividade e perseguir lucros mais robustos. Na área financeira, responsável por manter o negócio no azul e viabilizar o crescimento em escala, não é diferente: o ERP é um aliado unânime entre os líderes mais engajados.

Um software integrado é, portanto, a resposta mais assertiva para entraves comuns a quaisquer negócios. Ao integrar departamentos e ao centralizar informações, o ERP retifica a lisura dos dados e elimina o retrabalho. No financeiro, o sistema automatiza operações-chave, tais como a programação de Contas a Pagar, a Receber e a conciliação bancária, minimizando a incidência de erros manuais e acelerando as entregas da equipe.

Na prática, a utilização de um ERP aderente e adequado às rotinas do negócio pode mudar completamente a direção da empresa. Uma vez padronizadas e organizadas em um fluxo operacional eficiente, as demandas financeiras são executadas de modo mais prático, eficaz e seguro. Ganha-se em produtividade e, consequentemente, angariam-se resultados mais volumosos.

 

A influência do ERP nas decisões financeiras

Um software integrado, robusto e transparente é um catalisador das boas decisões monetárias. Para lidar com as finanças corporativas da forma mais otimizada possível, é importante que as operações estejam centralizadas e os dados estratégicos permaneçam à disposição do gestor — bastam alguns cliques, por exemplo, para que a projeção do Fluxo de Caixa sem visualizada no ERP.

Neste cenário, o líder protege os recursos do negócio e delibera com mais propriedade e eficiência. A tecnologia de gestão, portanto, promove e endossa processos mais aderentes à realidade da empresa e mais condizentes aos seus objetivos financeiros. Confira, agora, algumas das decisões que podem ser positivamente impactadas pelo ERP!

1. Decisões de investimento

Direcionamentos estratégicos também estão sob a responsabilidade da área financeira. Como, quando e onde aplicar os recursos — além da quantia máxima disponível — são definições que impactam diretamente nas operações do negócio, do chão de fábrica ao RH.

No ERP, é possível identificar uma série de variáveis pertinentes às decisões de investimento de forma simples, rápida e confiável. No caso da produção, por exemplo, o custo da matéria-prima e a demanda de mercado podem ser analisadas de acordo com a sazonalidade, garantindo uma perspectiva mais sólida acerca dos ciclos posteriores.

2. Decisões da cadeia de suprimentos

Em se tratando de produção, é válido mencionar que as decisões de suprimentos também estão diretamente associadas às deliberações financeiras. O Fluxo de Caixa, por exemplo, quando automatizado e completo, destaca as oportunidades de negociação com fornecedores e pode render economias volumosas ao caixa do negócio.

Além disso, custos de estoque sob controle indicam que a depreciação está sendo corretamente monitorada e que a sistemática de escoamento permanece efetiva. Cabe ao gestor financeiro, apoiado pela tecnologia de gestão, supervisionar a eficácia operacional.

3. Decisões de receitas e despesas

O ERP integra e automatiza as rotinas de Contas a Pagar e Contas a Receber, otimizando o tempo da equipe e suprimindo eventuais erros operacionais. Além disso, a tecnologia do software age de forma ainda mais profunda: as decisões estratégicas de todos os departamentos — seja aumentar o quadro de funcionários, seja implantar uma nova política comercial — devem ter respaldo na situação e na projeção monetária da organização.

Ao prever receitas e despesas por meio do Fluxo de Caixa, por exemplo, e empresa evita transtornos no pagamento e pode programar seus pagamentos e recebimentos, evitando a incidência de juros. Esse processo garante liquidez, eficiência e alta performance não apenas ao departamento financeiro, mas a todas as áreas do negócio.

 

O Areco ERP na gestão financeira

O Areco ERP é uma solução completa para a gestão enxuta e assertiva dos processos contábeis, fiscais e financeiro. O módulo correspondente, totalmente integrado às demais áreas do negócio, confere mais agilidade e eficiência às operações cotidianas, facilitando os registros tanto quanto as análises.

Na prática, o Areco ERP automatiza regras de integração financeira e contábil para rotinas de contas a pagar, contas a receber, estoque, ativo fixo e faturamento promovem e favorecem uma visão ampla do negócio, garantindo decisões mais acertadas e transparentes.

O fluxo de caixa, por sua vez, desponta como um diferencial interessante do software: online e totalmente integrado, o relatórios de controle explora diversos níveis de detalhes dos dados e pode ser analisado sob diversas perspectivas e objetivos. O resultado dessa flexibilidade é uma gestão mais profissional, eficiente e lucrativa.

Quer saber como podemos alavancar a gestão financeira de empresas focadas em resultados?

Fale com um consultor!
(19) 3849-4355
contato@areco.com.br

Inovações tecnológicas na indústria: conheça as principais mudanças

Inovações tecnológicas na indústria: conheça as principais mudanças

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Nos últimos anos, o segmento industrial brasileiro enfrentou momentos difíceis. Desde 2014, o setor acumulava desempenhos negativos e só conseguiu voltar a crescer em 2017 — quando apresentou alta de 4,3%. Para os gestores da área, é tempo de investir em processos eficazes e de fortalecer a competitividade.

A preocupação é justa e não podia ser mais adequada. Com a retomada do mercado, a concorrência se acirra e é preciso investir em técnicas eficientes para otimizar rotinas e maximizar performances. Na prática, a tecnologia é a ferramenta capaz de proporcionar os ganhos esperados e, claro, de endossar o cenário de desenvolvimento, melhorando continuamente os retornos do segmento.

A tecnologia como oportunidade na indústria

Há muitas décadas, o mundo não é mais limitado por barreiras físicas. Hoje, com a supressão de distâncias, a concorrência se intensificou e forçou as indústrias a buscarem competitividade e inovação.

Trata-se, sem dúvida, de um processo contínuo. A evolução tecnológica é perene e assim deve ser, também, o desenvolvimento do setor industrial. Para além da incorporação de novas técnicas de produção, é preciso implantar recursos que maximizem a produtividade e interfiram positivamente no desempenho do negócio.

Não seria equivocado dizer, portanto, que a tecnologia desponta como a grande oportunidade das indústrias brasileiras. As últimas avaliações positivas, somadas às previsões de crescimento do PIB para 2019, nutrem um panorama promissor para que sejam viabilizados investimentos em gestão e, como reflexo, registre-se expressivo aumento de competitividade — e lucratividade.

Inovações tecnológicas na indústria: quais são e como implantar

Gestores antenados já estão convictos de que as possibilidades de crescimento estão diretamente relacionadas à capacidade de inovar. A indústria 4.0 é o maior expoente desse novo contexto e vem demonstrando sua força a cada nova mudança implementada.

Entretanto, para assegurar o crescimento sustentável, adotando princípios inovadores de forma a perpetuar as operações e prover lucros cada vez mais atrativos, é fundamental que haja a segurança de rotinas bem estabelecidas, bem como o amparo de estruturas coerentes que as resguardem.

Conheça algumas das principais disrupturas tecnológicas, fomentadas e fortalecidas pelos avanços da indústria 4.0, e entenda como é possível incorporá-las aos seus processos industriais — tornando-os mais coesos, transparentes e produtivos.

Análise de dados

Os dados têm sido encarados como a grande oportunidade das indústrias. Foi-se o tempo em que apenas a atividade produtiva, regulada pelo bom andamento das engrenagens do PCP, era suficiente para garantir a competitividade de uma fábrica.

Hoje, as análises de produtividade, bem como a avaliação de históricos sazonais e o acompanhamento de performances, ocupam um lugar primordial na rotina dos gestores industriais. É preciso antever movimentos e se preparar para agarrar novas oportunidades — antes que os concorrentes o façam.

Para viabilizar um cenário de crescimento exponencial, a análise de dados é cada vez mais indispensável. Ao dispor de dados críveis, é possível endereçar demandas, corrigir eventuais desvios e maximizar os retornos do negócio.

Impressão 3D

As primeiras impressoras 3D surgiram na década de 80. A popularização dos equipamentos, porém, é recente: somente há alguns anos sua aplicabilidade no contexto empresarial foi validada.

Atualmente, o potencial de inovação propiciado pela tecnologia é evidente — e as impressoras conquistam seu espaço nas indústrias do mundo todo. Seja para agilizar a reposição de peças em maquinários importantes, seja para eliminar processos terceirizados no acabamento de um produto, o fato é que as impressões 3D contribuem diretamente para otimizar recursos, reduzir custos e potencializar a agilidade produtiva.

Robótica avançada

Os robôs já são uma realidade nas indústrias. De acordo com um levantamento recente, somente em 2017 foram comercializados 381 mil robôs industriais em todo o mundo — um aumento de 30% em relação ao ano anterior.

Os avanços da robótica abrem um horizonte promissor também para as fábricas brasileiras. Com o objetivo de alavancar as linhas de produção, melhorando a produtividade das unidades de negócio, os robôs podem ser integrados aos fluxos do PCP e, mediante adequada integração sistêmica, são capazes de fomentar uma significativa vantagens de mercado.

Gestão facilitada

Apesar de toda a disrupção tecnológica, não é exagero dizer que nenhuma inovação surte efeito se, em paralelo à sua aplicação, não houver também um intenso esforço gerencial.

As lideranças industriais precisam contar com informações centralizadas, recorrendo aos dados de suas unidades sempre que houver a necessidade de tomar alguma decisão.

Além disso, os indicadores de performance são instrumentos essenciais para garantir que tudo corra conforme o planejado, minimizando retrabalhos e evitando desvios — que, por sua vez, podem culminar em prejuízos consideráveis, muitas vezes fatais.

Para suprir as demandas suscitadas pelo novo panorama de mercado — considerando a alta concorrência e a volatilidade do cenário empresarial —, já está claro que a tecnologia é a chave. E não apenas no que tange às inovações! O segredo está, na verdade, em propiciar a verdadeira qualidade gerencial, capaz de abarcar com eficiência as mudanças de vanguarda.

O Areco ERP é o recurso ideal para que as indústrias alcancem o máximo potencial. A tecnologia permeia todo o workflow e contribui para padronizar processos e centralizar informações, assegurando acesso rápido, seguro e transparente aos dados corporativos.

Uma vez na dianteira de seus indicadores, os gestores podem tomar decisões mais assertivas, validando, por exemplo, a necessidade e a oportunidade de implantarem uma inovação que pode alterar o desempenho do negócio — e maximizar os retornos operacionais.

Conheça o Areco ERP e veja a tecnologia de gestão pode alavancar sua indústria. Aproveite, também, e fale com um consultor!

Rentabilidade sustentável: 4 dicas para manter o lucro da empresa

Rentabilidade sustentável: 4 dicas para manter o lucro da empresa

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Qualquer empresa, independentemente do porte ou do segmento que se dedique a atender, já nasce com um objetivo bem claro: lucrar. A rentabilidade, quando perene, permite e endossa uma série de estratégias que culminam no desenvolvimento e no crescimento da operação.

Nada mais natural, portanto, que manter o foco em um objetivo simples de explicar, mas complexo de atingir: obter rentabilidade sustentável, ao longo dos anos, com expectativas coesas de alavancagem.

 

Quais são os principais entraves da rentabilidade sustentável?

O monitoramento contínuo, amparado em dados críveis e transparentes, é uma prática essencial para que eventuais desvios de rentabilidade sejam facilmente identificados e prontamente corrigidos.

A partir de balanços, relatórios gerenciais e análises dinâmicas, o gestor é capaz de analisar sua operação e seus resultados com cautela, imparcialidade e eficácia. Qualquer anomalia de processos ou de gestão pode ser, então, endereçada e ajustada.

É bastante recorrente que equívocos operacionais estejam comprometendo a lucratividade da empresa. Problemas de qualidade, por exemplo, aumentam os custos de produção. Dificuldades no estoque, por sua vez, encarecem a armazenagem e podem ocasionar perdas significativas.

Da mesma forma, uma estratégia inadequada, sempre que replicada, tem o poder de desviar os resultados da empresa e de derrubar o lucro da operação. Seja com a falta de planejamento, seja com uma frágil gestão financeira, o fato é que existem situações perigosas à rentabilidade e, portanto, também danosas à perenidade dos negócios.

 

Quais são as principais estratégias para manter o lucro da empresa?

Aos gestores, não é nenhuma novidade dizer que a volatilidade do mercado exige que haja dinamismo e versatilidade no momento de traçar as estratégias da empresa — as quais, por sua vez, guiarão os negócios na direção das metas que devem ser atingidas.

No esforço contínuo para manter a direção certa, principalmente no que tange à lucratividade da operação, uma série de táticas se mostram cada vez mais valiosas e podem ser largamente utilizadas em empresas dos mais diversos portes e segmentos.

1. Verifique se você adota o regime tributário mais adequado

No Brasil, a carga tributária é bastante agressiva e, se mal gerenciada, pode comprometer a saúde e a viabilidade do negócio. É essencial, portanto, que os gestores se preocupem com a eficiência de suas decisões e certifiquem-se de que o regime tributário em vigor é, de fato, o mais pertinente ao contexto da empresa.

É possível (e mesmo bastante comum) que, após um expressivo crescimento, seja necessário mudar a classificação tributária da empresa. Muitas começam, por exemplo, sob a chancela do Simples Nacional e, após certo tempo, precisam avançar para o Lucro Real ou Lucro Presumido.

A capacidade de analisar constantemente as réguas do negócio, observando o faturamento e reavaliando periodicamente o cenário tributário, desponta como um diferencial importante à manutenção do lucro.

Afinal, quando uma empresa tem equívocos tributários, o prejuízo é imenso — e, mais do que apenas afetar o financeiro, pode comprometer o funcionamento de todas as áreas do negócio.

2. Automatize o máximo possível

A automatização de tarefas é um excelente método para alavancar a rentabilidade da organização. Quando o fluxo processual dispensa o excesso de interferências manuais, há, de imediato, ganhos bastante significativos.

O capital humano pode ser deslocado para atividades com maior valor agregado, contribuindo para que o fluxo de tarefas estratégicas tenha mais espaço no cotidiano corporativo.

A automatização de procedimentos, por exemplo, otimiza os recursos, já que os custos de retrabalho — muito comum em processos excessivamente manuais — são minimizados.

3. Maximize a produtividade

Como não podia deixar de ser, a produtividade da empresa está diretamente ligada à eficiência dos recursos empresariais — sejam eles físicos, tais como máquinas e equipamentos, ou humanos, constituídos pelo próprio quadro de funcionários.

Para que uma empresa se torne (e se mantenha) competitiva, a produtividade é essencial e deve permear todos os níveis da empresa, da produção ao Comercial. Os apontamentos online no PCP, tanto quanto a automatização de lembretes no CRM, contribuem para tornar a gestão mais produtiva.

4. Acompanhe (e atualize) sua lista de preços

A manutenção da lista de preços, que é a estratégia de precificação traduzida no mercado, é uma atividade facilmente negligenciada. Esse comportamento gerencial, porém, pode culminar em danos sérios à organização — e prejudicar fatalmente o lucro da empresa.

Se os custos de produção sobem, por exemplo, seja por conta da implantação de uma melhoria tecnológica ou em função da valorização da matéria-prima, é fundamental que o adicional seja repassado ao mercado. Quando esse paralelo não é verdadeiro, é grande a chance de fechar as contas no vermelho, mesmo que as vendas se mantenham.

Na prática, embora soe mais simples do que a execução pressupõe, não há segredo: controle, integração e transparência são ingredientes indispensáveis para assegurar a conformidade da operação e a lucratividade sustentável do negócio.

Para que tudo isso se torne realidade no cotidiano corporativo, entretanto, é prudente dispor de ferramentas capazes de fornecer dados e insights valiosos à lucratividade.

O Areco ERP, sistema que permeia todo o workflow, é a tecnologia ideal para proporcionar o que o seu negócio precisa para crescer — e lucrar cada vez mais. As funcionalidades do software facilitam o controle fiscal e tributário, automatiza as rotinas corporativas e otimizam os recursos disponíveis.

Para entender como alavancar o seu negócio, fale com um consultor!