O segredo do lucro: 3 dicas para melhorar os retornos financeiros da sua empresa

O segredo do lucro: 3 dicas para melhorar os retornos financeiros da sua empresa

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Toda empresa, independentemente do setor em que pretenda atuar, nasce com um objetivo bem claro: gerar e perpetuar o lucro. Por isso, desde o primeiro dia, todas as engrenagens corporativas devem se alinhar à estratégia do negócio e funcionar em total sinergia, otimizando recursos para alavancar resultados.

Se a teoria é simples, a prática certamente exige uma boa dose de resiliência. De acordo com um estudo divulgado pelo Sebrae, o lucro é uma questão complexa para grande parte dos empreendedores.

A pesquisa aponta que, considerando as empresas que fecham as portas, o principal motivo para o encerramento das atividades é a falta de lucro. Da mesma forma, levando em conta os CNPJs que se mantêm ativos, a dificuldade mais comum nos primeiros anos de funcionamento é, mais uma vez, a constância na obtenção de lucro.

Logo, não seria equivocado dizer que a lucratividade é um tema sensível aos gestores modernos. Afinal, em um mercado altamente competitivo, é preciso lançar mão de táticas eficientes para acelerar os retornos da operação.

O primeiro passo é entender em profundidade as nuances do lucro — e, claro, dos indicadores que o envolvem. Depois disso, você provavelmente estará pronto para conhecer e explorar o segredo do lucro. Confira!

Rentabilidade x Lucratividade: quais são as principais diferenças?

Ainda que os dois conceitos tratem de desdobramentos financeiros, vale diferenciá-los. No dia a dia do negócio, considerando as demandas analíticas da operação, é muito provável que você precise apelar a uma ou outra — senão às duas simultaneamente.

De forma geral, a rentabilidade se refere ao retorno. Imagine, por exemplo, que você tenha injetado R$10 mil em melhoria produtiva, adquirindo uma série de máquinas para agilizar o trabalho na fábrica.

A métrica de rentabilidade é que vai afirmar se o investimento alocado no PCP está trazendo os retornos previstos no curto, no médio e no longo prazo. O cálculo permite que os gestores avaliem, sob a ótica da inteligência financeira, se a produção está “se pagando” — ou, então, quanto tempo ela levará para “se pagar”.

Por outro lado, a lucratividade também tem traços particulares. Para o Sebrae, a métrica “é um indicador de eficiência operacional que indica o ganho que a empresa consegue gerar sobre o trabalho que desenvolve”.

Trata-se, portanto, do ganho excedente: tudo aquilo que se obtém com as vendas (de produtos ou serviços), já deduzidos os custos e despesas. Se cada peça produzida custa R$35 (R$ de tributos, R$10 de insumos, R$10 de custo operacional e R$10 de mão de obra), a venda por R$70 gera 50% de lucratividade.

As diferenças entre os dois conceitos os tornam complementares — além de, claro, indispensáveis à gestão enxuta de qualquer companhia. É fácil entender o motivo: se a empresa detém 25% de lucratividade, mas apresenta rentabilidade de 10%, o retorno não é suficiente para pagar o investimento.

Da mesma forma, um negócio com 500% de rentabilidade — ou seja, quintuplicando o valor investido — pode sustentar uma lucratividade pífia, indicando que os custos operacionais estão fora de controle.

Certifique-se de combinar as métricas de lucratividade e de rentabilidade para obter um diagnóstico fiel e coerente da sua situação financeira. Os retornos financeiros que você espera podem estar escorregando entre seus dedos, soterrados por ineficiências produtivas e ocultos em relatórios incompletos.

O segredo do lucro: como maximizar os retornos financeiros?

A essa altura, é provável que você tenha percebido que o “segredo” do lucro está longe de ser uma fórmula mágica; e que, em vez disso, resultados expressivos envolvem algumas variáveis importantes.

Para perseguir saldos positivos, você precisa se comprometer com análises profundas e recorrentes, capazes de ordenar a complexidade da operação e, assim, gerar insights valiosos. Agora, é hora de saber por onde começar…

  1. Melhore as negociações com fornecedores

A gestão sinérgica da cadeia de suprimentos representa um grande desafio aos gestores focado em alta performance. Dos insumos necessários à fabricação dos produtos, passando pela transportadora contratada para escoamento, fique atento a gargalos que podem prejudicar o desempenho da operação.

Os fornecedores, por exemplo, são peças-chave na maximização do lucro. Negociações mais atrativas — no preço unitário da matéria-prima ou na forma de pagamento, para citar apenas duas das possibilidades — podem garantir o balanço positivo nos indicadores financeiros, impulsionando o desenvolvimento do negócio.

O IQF (Índice de Qualidade do Fornecedor) é um bom aliado na manutenção de parceiros. A partir do cruzamento de informações essenciais, tais como a confiabilidade da entrega e a qualidade do material vendido, é possível organizar as empresas mais eficientes e alinhadas às demandas da companhia, mantendo o alto nível dos relacionamentos comerciais.

  1. Reveja a formação de custo e preço

A precificação não é uma tarefa fácil. Fixar o preço de um produto ou serviço exige um mergulho profundo nos números corporativos: só assim, munido de dados transparentes, pode-se criar um cenário de lucratividade perene, cobrindo custos e despesas e adicionando uma boa margem.

Na pesquisa do Sebrae, a falta de capital de giro e/ou lucro foi apontada como o segundo maior motivo para o fechamento de empresas. Não há exagero em afirmar que esse é o reflexo de uma precificação cega, sem embasamento e sem análise.

Quando não há sistematização de informações, fica difícil resgatar o valor de um insumo ou ratear o custo operacional entre os departamentos do negócio. Quando os dados estão dispersos e descentralizados, é impossível resgatar as despesas para, então, balanceá-las no cálculo da margem de lucro.

Para viabilizar esse nível de controle, é preciso investir em tecnologia de ponta. Um bom sistema ERP, apto a integrar todo o workflow empresarial, é o recurso ideal para alavancar os critérios (e a assertividade) da precificação. 

  1. Analise os indicadores de qualidade

Desvios na qualidade são prejudiciais à operação e despontam como grandes inimigos do lucro. Sempre que há desperdício excessivo, causado por uma falha de processo ou por um erro humano, o prejuízo é certo.

A única maneira de evitar esse tipo de problema, eliminando gargalos com rapidez e eficiência, é manter os olhos bem abertos e os relatórios bem atualizados. É importante, por exemplo, que você assegure a disponibilidade de recursos robustos, transparentes e integrados. Abuse da tecnologia para maximizar os resultados da fábrica!

Se, ao analisar os dashboards de desempenho do PCP, você notar que o número de peças produzidas caiu significativamente em determinado período, acione o alerta: em algum ponto do processo, na preparação das máquinas ou na sequência de tarefas, deve haver um gargalo — e você precisa corrigi-lo prontamente, de forma a minimizar os impactos negativos na lucratividade do negócio.

É por isso que a rotina de monitoramento é essencial à gestão de qualidade e, por consequência, também à busca por lucros exponenciais. Afinal, uma parcela considerável do segredo para melhorar os retornos financeiros diz respeito à capacidade de liderar as decisões da companhia. A melhor forma de fazer isso é, sem dúvida, se apoiar em dados coesos.

Conclusão

A tecnologia de gestão é responsável por simplificar processos, automatizar rotinas e integrar departamentos. Todos os inputs da operação são centralizados e organizados, facilitando o acesso às informações estratégicas da empresa — acentuando a assertividade e a competitividade das decisões.

Precisa de ajuda para entender a complexidade do negócio, calibrando as engrenagens que impulsionam os lucros da organização? Agende uma consultoria gratuita e saiba como podemos ajudá-lo a trilhar um caminho de produtividade e de crescimento!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *