• (19) 3849-4355
  • contato@areco.com.br
Os 4 recursos indispensáveis à gestão de indústrias automotivas

Os 4 recursos indispensáveis à gestão de indústrias automotivas

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O setor automotivo é responsável por quase um quarto (¼) do PIB industrial no Brasil. Em 2015, segundo dados do Ministério da Economia, o setor faturou pouco mais de U$ 59 bilhões, empregando mais de 1 milhão de pessoas ao longo do processo produtivo. Por tanto, por ser um setor de tanto impacto na economia, é necessário que a gestão de indústrias automotivas seja estratégica e eficiente.

Por outro lado, a cadeia de suprimentos do segmento automotivo é complexa e as exigências não param de crescer. Para fazer frente à competição internacional, as empresas brasileiras precisaram estabelecer padrões rígidos de produção e escoamento.

Para robustecer as operações, aprimorar rotinas e garantir resultados cada vez mais expressivos, a tecnologia de gestão se moldou às necessidades do ramo. Funcionalidades específicas, voltadas especialmente às demandas do setor, permitem que a indústria automotiva nacional permaneça competitiva — e siga prosperando.

Conheça, agora, os recursos indispensáveis à gestão eficiente da sua indústria automotiva!

Integração EDI na gestão de indústrias automotivas

O EDI — que, em tradução para o português, significa Intercâmbio Eletrônico de Dados — é um dos primeiros requisitos da indústria automotiva, viabilizando a integração com montadoras. Por meio dele, é possível agilizar a troca de informações sobre peças e prazos com fornecedores selecionados, por exemplo.

Na prática, o EDI substitui negociações comerciais via papel e/ou e-mail, digitalizando todo o processo. Com isso, a indústria automotiva:

  • reduz o tempo de processamento dos pedidos;
  • evita erros na digitação dos pedidos, conferindo mais precisão às entregas;
  • sistematiza o recebimento e a expedição de materiais;
  • automatiza o recebimento de pedidos de venda (programação de entrega);
  • otimiza os recursos humanos da empresa, liberando-os para tarefas com maior valor agregado.

De forma geral, não é nenhum exagero dizer que o EDI efetiva a rastreabilidade das operações comerciais e alavanca a cadeia logística. Para a maioria dos gestores automotivos, o recurso é condição fundamental para viabilizar o Just in Time (ou JT, como também é conhecido), sistema que rege grande parte das indústrias do segmento e pressupõe a produção sob demanda.

O EDI, portanto, deve ser uma das funcionalidades disponíveis no sistema de gestão automotivo. Ao favorecer a integração de áreas — do comercial à produção, principalmente com as montadoras —,  a empresa assegura a transparência operacional e expande o potencial do negócio.

Rastreabilidade de lotes

A rastreabilidade é uma ferramenta essencial na cadeia de fornecimento da gestão de indústrias automotivas. Para firmar contrato com montadoras, por exemplo, é preciso que a empresa obtenha o certificado ISO-TS (AITF 16949), comprovando dispor de mecanismos para rastreabilidade total de itens.

No dia a dia, porém, o processo exige atenção. De modo a garantir que todos os dados sejam registrados e corretamente sistematizados, o gestor precisa contar com um apoio tecnológico robusto, capaz de simplificar a complexidade das rotinas.

Neste caso, o sistema de gestão é responsável por integrar procedimentos e áreas, obrigando a execução de ações relacionadas ao monitoramento de lotes e armazenando os dados pertinentes às consultas de rastreabilidade.

Ao incorporar tecnologias aderentes às demandas do segmento automotivo, os líderes corporativos têm mais autonomia para controlar a movimentação de materiais — dentro e fora da planta — com eficiência e precisão.

Assim, caso algum desvio seja identificado ao longo do processo, internamente ou em fornecedores parceiros, é possível recorrer ao responsável e ajustar a deficiência produtiva. Esse tipo de conhecimento é imprescindível à segurança da produção e à competitividade da empresa.

Controle de inventário

A manufatura enxuta, mundialmente conhecida como Lean Manufacturing, é um dos principais expoentes do segmento automotivo. O conceito, que foi lapidado a partir do conjunto de conhecimentos adotados no Sistema Toyota de Produção, preconiza o aumento da produtividade a partir da redução de perdas.

Os desperdícios, por sua vez, podem ser suprimidos nas mais diversas etapas do processo produtivo. A superprodução, tanto quanto problemas na efetividade do transporte, para citar apenas alguns transtornos, podem incorrer em prejuízos financeiros e comprometer a lucratividade da indústria.

O inventário é, sem dúvida, um dos possíveis gargalos da operação. O excesso de estoque, por exemplo, funciona como um alerta e reclama um exame mais apurado.

Em muitos casos, a falta de confiança no fornecedor pode sobrecarregar o recebimento, inflando a armazenagem e disparando os custos de manutenção — bem como os prejuízos por eventual depreciação.

Para corrigir o desvio, a atenção ao IQF (Índice de Qualidade do Fornecedor) ajuda a definir parceiros mais confiáveis para futuras negociações. Além disso, o planejamento de materiais, associado ao acompanhamento da produção, é outra ferramenta importante: os dados possibilitam as entregas sob medida, também comuns no sistema JT, bastante adotado no setor automotivo.

Manutenção industrial para a gestão de indústrias automotivas

A interdependência de operações é uma característica marcante nas indústrias automotivas. Em essência, o encadeamento do fornecimento pode acarretar certa incerteza entre os gestores da área: caso um fornecedor atrase a entrega, por exemplo, a linha de montagem corre o risco de parar.

Da mesma forma, problemas na fábrica podem comprometer o cronograma de transferência de produtos acabados às montadoras. No esforço para evitar imprevistos e assegurar a qualidade das entregas, a manutenção industrial ganha destaque e relevância.

A manutenção preventiva é um dos primeiros passos. É preciso controlar a revisão de máquinas e garantir que os equipamentos sejam ajustados dentro do período previsto — registrando os apontamentos da ordem de manutenção.

O monitoramento dos indicadores de performance é outro aspecto que não deve ser negligenciado na gestão de indústrias automotivas. O software de gestão deve ser capaz de consolidar dados produtivos, verificando, por exemplo, a quantidade de peças produzidas por hora.

Quaisquer incoerências nos padrões da linha devem ser profundamente investigados e rapidamente corrigidos, repelindo consequências negativas ao longo da cadeia de suprimentos.

ERP para gestão de indústrias automotivas

Do planejamento de produção à rastreabilidade de lotes, as indústrias automotivas precisam se antecipar às demandas e exigências do segmento. Para isso, a adoção de uma tecnologia integrada e transparente deixou de ser uma opção: trata-se, em vez disso, de uma necessidade latente, da qual depende a sobrevivência e a lucratividade das empresas.

Certifique-se de implantar uma solução atualizada e em constante evolução. O Areco ERP ajuda a desenvolver as indústrias automotivas do Brasil há mais de 30 anos, entregando funcionalidades robustas para simplificar rotinas e maximizar resultados no curto, no médio e no longo prazo.


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *