Em meio ao surto do Coronavírus, temos notícias boas?

Em meio ao surto do Coronavírus, temos notícias boas?

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Na TV, na Internet e nas mídias (online e offline), a programação mudou completamente nas últimas semanas. A pluralidade de assuntos deu lugar a um só, desde que o COVID-19 atingiu escala mundial, assustando a população. Em tempos difíceis, porém, é preciso lembrar que as boas notícias são o melhor antídoto para o pânico — e que, neste caso, o Coronavírus é uma tragédia que estamos preparados para superar.

 

O que é, na prática, uma pandemia?

O conceito de pandemia está associado à transmissão desenfreada, eficaz e contínua de uma doença em mais de três regiões diferentes, como continentes, estados e de forma simultânea.

A globalização — que eliminou fronteiras físicas e aproximou todos os países do globo — acabou criando um ambiente favorável para problemas globais. Vale ressaltar, porém, que pandemia não é o equivalente a uma sentença de morte. O termo pandemia é relacionado a força de transmissão de um agente infeccioso, e não de sua mortalidade.

No caso do Coronavírus, bastaram menos de 4 meses para que o vírus se espalhasse por mais de 150 países — gerando medo coletivo e desesperança excessiva. É hora de dar ênfase às notícias boas!

 

Já temos boas notícias?

A pandemia deve ser tratada com seriedade, não devemos subestimar a sua letalidade. É preciso ampliar o panorama e enxergar respostas e medidas otimistas no combate efetivo à doença.

Em tempos de incerteza, é preciso lembrar-se de manter a esperança. A mensagem que fica é clara: boas notícias sobre o combate ao COVID-19 estão logo ali, à nossa frente, e só precisamos voltar o olhar para enxergá-las como catalisadoras de momentos mais tranquilos e seguros. Com consciência, ciência e tecnologia, não temos dúvida: venceremos a batalha contra o Coronavírus.

 

  1. Rapidez na identificação do genoma

Há relatos de que o primeiro caso de COVID-19 tenha surgido no final de dezembro, na China. Foi preciso apenas 7 dias para identificar o vírus e 10 dias para decodificar o genoma, o que acabou por tornar o trabalho para combatê-lo mais ágil e eficaz.

De posse dessas informações, foi possível descobrir a origem do vírus — que está relacionado ao Coronavírus de morcegos — e confirmar que ele pode sofrer mutações, ainda que em uma frequência relativamente baixa.

 

  1. Eficiência na constatação da doença

Uma vez infectado, o indivíduo tende a apresentar sintomas semelhantes a uma gripe, tais como febre alta, tosse seca e coriza. No entanto, de modo a evitar a contaminação coletiva, a confirmação do Coronavírus é importante.

A fabricação de um teste consistente foi disponibilizado ainda na primeira quinzena de janeiro, quando o COVID-19 ainda era tido como uma epidemia. Chamado de RT-PCR, o exame é eficaz na detecção do vírus e, desde que foi lançado, está sendo aprimorado para contemplar as especificidades do agente.

 

  1. Alta produtividade científica

Cientistas de todo o mundo têm se mobilizado em uma causa comum: frear a expansão do Coronavírus. Esse esforço coletivo já se mostrou produtivo: em pouco mais de um mês, mais de 150 artigos científicos sobre o COVID-19 (ou SARSCov2) já estão disponíveis para consulta na internet.

Além disso, centenas de documentações semelhantes aguardam revisão para também contribuir no combate à pandemia. São mais 700 autores das mais variadas nacionalidades ligados por um nobre objetivo: diminuir o impacto negativo do Coronavírus e acelerar a cura para a doença.

 

  1. Foco na descoberta da cura

Muitos desses estudos — amparados pela prática clínica, na linha de frente do combate — apontam que há muita esperança na descoberta de medicamentos eficientes no tratamento e na prevenção do COVID-19.

Se, por um lado, existe uma corrida para descobrir fórmulas eficientes na contenção do vírus, uma vez que a pessoa já está infectada; por outro lado também há a expectativa da vacinação, que preveniria a instalação do vírus no organismo.

Nos dois âmbitos, as novidades são cada vez mais acolhedoras. A cloroquina, por exemplo, foi mencionada por autoridades como um potente aliado no tratamento do COVID-19. Inicialmente utilizado para pacientes com malária, o remédio bloqueia a infecção e aumenta o pH, inibindo a fusão do vírus com a célula.

A vacina, que exige testes mais apurados e pode levar mais de dois anos para ser liberada em grande escala, também já está em andamento: as pesquisas correm aceleradas e excelentes notícias devem ganhar o mundo em breve.

Não há como negar que o momento é de cautela, mas também de esperança. Em breve, anúncios sobre tratamentos bem-sucedidos e antídotos eficientes devem tomar o lugar de notícias alarmantes.

E isso já está começando a acontecer. Na Itália, a região mais afetada pela pandemia, uma senhora de 95 anos que estava internada desde o dia 5 de março, está oficialmente curada do Coronavírus.

 

Blog  Em meio ao surto do Coronavírus, temos notícias boas?

 

O panorama exige respeito e consciência, mas com certeza nos enche de boas expectativas. Juntos, em um misto de esforços tecnológicos, científicos e comunitários, superaremos o Coronavírus e preservaremos milhares de vidas.

Conte com a gente para informações úteis, transparentes e, por que não, motivadoras. Afinal, o mundo precisa de boas notícias. 🙂

 

Blog  Em meio ao surto do Coronavírus, temos notícias boas?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *