• (19) 3849-4355
  • contato@areco.com.br
Coronavírus: Quais as principais mudanças no ERP?

Coronavírus: Quais as principais mudanças no ERP?

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Desde o início do ano, notícias sobre o surgimento de um novo tipo de vírus foram unânimes nas principais manchetes do Brasil e do mundo. No mercado, o coronavírus construiu um cenário de incertezas, exigindo que as lideranças agissem de forma rápida para reinventar suas operações. O setor de tecnologia, por sua vez, não ficou para trás: a pandemia incentivou — e arregimentou — importantes mudanças no ERP.

É bastante provável que uma fatia expressiva dos gestores contemporâneos concorde que, no enfrentamento da crise, surgiram ótimas oportunidades. 

De acordo com um levantamento divulgado pela OEA (Organização dos Estados Americanos), em parceria com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), a América Latina acelerou processos de digitalização em resposta ao alerta da Covid-19. Ou seja: o período de insegurança contribuiu para que as organizações se tornassem mais tecnológicas e, por conta disso, mais empoderadas. 

As empresas de software fizeram parte dessa transformação — e, claro, transformaram-se também. Funcionalidades alinhadas ao novo normal foram desenvolvidas e aperfeiçoadas, moldando soluções cada vez mais adequadas às demandas de empresas em constante evolução. 

A gestão empresarial em tempos de Coronavírus

Ainda em maio de 2020, quando a pandemia do novo coronavírus mobilizou empresas e líderes ao redor do globo, a maioria dos gestores brasileiros concordou em um ponto bem específico: para 80% deles, o home office era uma medida acertada — além de essencial na tentativa de frear a disseminação da doença.  

Mais de seis meses depois, entre erros e acertos, a flexibilidade do trabalho ainda é um ponto que precisa ser discutido (e aprimorado) em companhias dos mais diversos portes e segmentos. Afinal, ainda que o coronavírus tenha sido a maior crise sanitária do mundo moderno, não é conveniente afirmar que os negócios locais estão livres de intercorrências semelhantes, mesmo que localizadas e em menor escala. 

Em 2018, por exemplo, a greve dos caminhoneiros paralisou uma parcela importante do escoamento de produtos no Brasil, comprometendo produtores, intermediários e clientes. Por outro lado, no que diz respeito às atividades comerciais tradicionais, a falta de combustível impediu, inclusive, deslocamentos a trabalho — e a conta chegou também para os empresários que deixaram de fechar contratos por conta da distância física. 

Os dois episódios ensinam, portanto, uma lição indiscutível: é preciso estar preparado para imprevistos. Não se trata de adivinhar o futuro, mas de assegurar que os recursos certos estejam disponíveis quando (e sempre que) necessário. 

Agora, mais do que nunca, a gestão corporativa precisa assumir uma postura 360º, tanto online quanto offline. As linhas que costumavam segmentar setores precisam se transformar em laços que unem pessoas. As ferramentas operacionais e estratégicas devem ser utilizadas para conectar indivíduos — colaboradores, parceiros e clientes —, eliminando barreiras e viabilizando negócios. A qualquer hora e em qualquer lugar!

E mais: foi-se o tempo em que os gestores eram céticos a respeito da produtividade de uma equipe remota. Os sistemas integrados de gestão (ERP) entregam soluções completas para manter o alinhamento do time e garantir as entregas da empresa, facilitando o acesso a balanços, dashboards e relatórios de cada departamento — da logística ao RH.

As principais mudanças no ERP durante o Coronavírus

O ERP (Enterprise Resource Planning) é um velho aliado das companhias focadas em alta performance. A função do software é centralizar informações, acelerar processos e otimizar recursos, permitindo que a equipe trabalhe de forma eficiente e segura. 

Para os líderes, a robustez de um sistema integrado é ainda mais valiosa. Em apenas alguns cliques, milhares de relatórios são emitidos e podem, então, render análises essenciais à saúde do negócio — no curto, no médio e no longo prazo. 

Se, por um lado, não há novidade alguma no ato de reforçar a importância do ERP no dia a dia corporativo, por outro existe a disposição de apresentar funcionalidades aderentes a um panorama que corresponde e extrapola a pandemia, rendendo novas possibilidades de trabalho sem comprometer a qualidade da entrega. Preparado para o novo normal no mundo ERP? Confira!

Servidor em nuvem

Todo ERP precisa contar com o apoio de um servidor, responsável por armazenar os dados registrados no software. Antes da tecnologia em nuvem, dispositivos locais asseguravam a disponibilidade das informações, mas, em contrapartida, tinham custos elevados de manutenção e exigiam atenção redobrada às rotinas de backup. Além disso, o acesso remoto era certamente mais difícil em ocasiões de home office, por exemplo.

Hoje, com a computação em nuvem (cloud computing), é possível contar com um tipo de hospedagem mais versátil e seguro para depositar o volume de dados gerado na companhia. A Amazon Cloud, por exemplo, oferece um modelo descomplicado e com excelente custo-benefício, tornando o servidor em nuvem uma opção inteligente — e econômica — para a operação do seu ERP sob a perspectiva de um novo normal.

 

Implantação à distância

O processo de implantação de um novo sistema de gestão pode gerar certos receios. Os gastos com deslocamento de profissionais, por exemplo, costumavam pesar negativamente no fluxo de caixa — e, em alguns casos mais extremos, acabava por desestimular a substituição de uma ferramenta ultrapassada, incapaz de suportar o crescimento da empresa.

A pandemia de coronavírus, no entanto, forçou a adaptação do trabalho remoto e as novas premissas também foram aplicadas (com sucesso, diga-se de passagem) aos procedimentos convencionais de implantação. Em vez de centenas de quilômetros percorridos, a prioridade foi manter dezenas de horas de aprendizagem.

O suporte online ganhou escala e agilidade, reduzindo gastos desnecessários e otimizando a experiência da equipe frente à tecnologia. Agora, mais do que nunca, a implantação à distância é uma realidade bastante oportuna — e pode ser exatamente o que seu negócio precisa para lapidar os processos gerenciais.

Acesso remoto (com segurança)

O controle de acessos continua sendo relevante em tempos de trabalho remoto. Por isso, é fundamental que o ERP disponha de ferramentas que formalizem os direitos de acesso, evitando equívocos e/ou demais transtornos operacionais. 

O software permite, por exemplo, que a equipe contábil visualize apenas os módulos, as telas e os relatórios pertinentes à rotina fiscal e financeira, impedindo que informações do RH — ou de qualquer outra unidade de negócio — estejam disponíveis para consulta e alteração. 

Esse tipo de preocupação dá apoio ao compliance corporativo e preserva a integridade dos dados, minimizando riscos de segurança. Mais uma vez, a funcionalidade faz todo o sentido no home office, certo?

Ufa! A essa altura, fica claro que o coronavírus desencadeou transformações significativas na administração empresarial e, de quebra, também potencializou boas mudanças no ERP. Tudo para que você, gestor de alta performance, possa continuar perseguindo metas audaciosas para, assim, acumular resultados cada vez mais positivos.

O Areco ERP, tecnologia da Areco Sistemas Empresariais, está totalmente preparado para o novo normal e reúne funcionalidades indispensáveis ao mercado pós-pandemia. São mais de 30 anos de trabalho dedicados ao desenvolvimento íntegro de empresas e pessoas — sempre transformando crises em oportunidades.

Quer saber como podemos ajudar você e o seu negócio? Agende uma consultoria gratuita!


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *