Atrasos de produção: como eliminar

Atrasos de produção: como eliminar

A fabricação de produtos e insumos em prazo determinado, com custos calculados e sem desperdício de matérias-primas, é o objetivo de qualquer setor industrial. Em muitas empresas, porém, ainda há retrabalho e prejuízos decorrentes de incongruências nos procedimentos, falhas operacionais e atrasos de produção.

Normalmente, no que se refere aos atrasos, os casos resultam da falta de planejamento na produção e de falhas no gerenciamento de processos. E, quando os desajustes no prazo começam a dar os primeiros sinais, a elaboração de estratégias generalistas geralmente não resolve: é preciso avaliar todo o ciclo e determinar com consistência quais desvios estão acarretando problemas – para então corrigi-los o mais brevemente possível.

 

Simplifique e agilize os processos de fabricação

Promover o crescimento sustentável de longo prazo é uma estratégia que toda indústria deve adotar, independentemente do porte ou do segmento em que atua. Para isso, a administração deve buscar maneiras de evitar atrasos na produção, conferindo mais agilidade às operações ao controlar processos de fabricação por meio de um software de gestão.

É muito importante, por exemplo, preocupar-se com a engenharia detalhada de produto e com a programação da produção, acompanhando Ordens de Fabricação e automatizando inputs via apontamentos online. Dessa forma, os responsáveis estarão aptos a simplificar os processos da fábrica, encontrar falhas no ciclo produtivo e aperfeiçoar as operações. Evitando um dos motivos que leva aos atrasos de produção.

Selecionamos algumas dicas atreladas a tecnologia para você garantir a otimização do processo de produção na sua indústria:

 

1. Mapeie o processo de produção

Toda produção tem suas etapas e o mapeamento delas permite a otimização dentro da empresa. Ele será um excelente recurso gerencial para clarear todos os passos de um método produtivo e colaborar para evitar os atrasos de produção.

Após a análise de todas as etapas produtivas – utilizando dos recursos de infográficos e fluxogramas, o mapeamento permitirá a identificação e analise de falhas. Com o cotidiano e as repetições de tarefas, elas podem passar despercebidas. A seguir, as etapas que precisam ser seguidas para realizar um mapa do seu processo de produção efetivo:

Identificar atividades que são parte do processo produtivo:

Um dos melhores métodos de realizar a identificação é separar as atividades por departamentos/setores de atuação, nomear quais são os gestores envolvidos e quais as boas práticas de cada departamento. Para auxiliar, faça uma consulta com profissionais chave: colaboradores imersos no processo, técnicos e pessoas com muitos anos de casa.

Ao abordar esses profissionais, uma forma bacana de conseguir respostas e dados eficazes é através de questionários de opinião e, após coletar todas as informações, é importante que uma reunião seja feita para discutir todos os fatores.

Definir propósitos:

Chegou a hora de classificar os processos. Após identificar cada um, a classificação será importante para a denominar a importância e função dos processos. Quando uma fábrica não dispõe de métodos e setores bem estruturados, é mais comum encontrar áreas diferentes realizando as mesmas tarefas. Um dos fatores que contribuem para o aumento de retrabalhos.

Sendo assim, a próxima etapa é definir os propósitos e, para defini-los, é necessário considerar os seguintes questionamentos:

  • Quais as etapas para essa atividade ser realizada?
  • Por que essa tarefa é importante para o meu negócio?

Esta é a hora de criar o mapa:

Após cumprir as duas últimas etapas, vamos começar a desenhar o mapa. Neste momento, é ideal decidir qual será a melhor maneira de apresentá-lo.

Normalmente, é aconselhado optar pelo fluxograma – modelo intuitivo e amigável. Depois de decidir a melhor maneira para a apresentação, comece estruturando o relacionamento organizacional e insira todas as atividades da empresa: desde o topo da administração até a distribuição dos produtos para o mercado.

Então determine o quão as informações ficarão detalhadas. Para cada informação, responda as seguintes perguntas:

  • Qual será o ponto de partida desta etapa?
  • Quais serão os resultados esperados ao fim deste procedimento?

Com todas as respostas em mãos, chegou a hora de estruturar o mapeamento. Fique atento para não confundir e acabar olhando para todas as saídas como algo concreto e tangível, como por exemplo, um equipamento ou uma peça. Na realidade, os resultados podem ser de naturezas distintas, como dados, gráficos ou aprovações.

Valide o mapeamento:

Agora é a hora de verificar se todos os insumos envolvidos foram catalogados e mapeados, para isso utilize a técnica SIPOC. O SIPOC é uma ferramenta que resume as entradas e saídas de um ou mais processos em forma de tabela. Corresponde a junção de iniciais (em inglês) que significa Suprimentos (Suppliers), Entradas (Inputs), Processos (Process), Saídas (Outputs) e Clientes (Customers). Algumas organizações usam a sigla oposta COPIS, que coloca o cliente em primeiro lugar e ilustra o valor do cliente para a organização.

1. Comece pelo processo:

Se você decidiu construir um diagrama SIPOC, provavelmente já sabe qual processo deseja analisar. Escreva o nome do processo na coluna do meio e descreva brevemente suas etapas principais. Você pode listá-las ou desenhar um fluxograma simples para facilitar a compreensão. Ao concluir esta etapa, lembre-se de algumas coisas:

  • Verifique se você sabe exatamente os pontos inicial e final do processo. Caso contrário, isso pode atrapalhar o diagrama inteiro quando você passar para as outras colunas.
  • Não entre em muitos detalhes. Lembre-se, o diagrama SIPOC é um mapa de processo de alto nível e foi projetado para obter uma visão geral do processo. Não inclua pontos de decisão ou loops de feedback.
2. Identifique as saídas do processo:

Como na etapa anterior, concentre-se nas principais saídas do processo. Nesta etapa, anote as três ou mais saídas principais. Use substantivos na maior parte e mantenha o tom neutro. Seu objetivo é evitar categorizar seus resultados em bons ou ruins – esse não é o objetivo do diagrama.

3. Identifique os clientes:

Nesta etapa, liste as pessoas que se beneficiam do processo. Esses não precisam ser os “clientes” literais. Por exemplo, se você estiver trabalhando em um diagrama para um processo interno, os “clientes” serão os colaboradores. Pense em quem se beneficia com esse processo. Quem não ficaria satisfeito se o processo não estivesse completo?

Ao fazer a pesquisa para esta etapa, aprimore seu fluxograma observando os requisitos dos clientes na coluna “Saída”.

4. Liste as entradas para o processo:

Aqui você anota as entradas necessárias para o processo funcionar corretamente. Assim como em todas as etapas anteriores, concentre-se nas mais importantes. Quatro a seis entradas principais devem funcionar.

5. Identifique os fornecedores da entrada:

Na coluna Fornecedores, anote os fornecedores com base nas entradas que o processo usa. Certifique-se de mencionar quaisquer fornecedores específicos cuja entrada tenha influência direta na saída. Por exemplo, imagine que você esteja fazendo um diagrama do SIPOC para o processo “Fazendo molho de tomate”. Se o fornecedor tiver um impacto na variação da produção “Prove”, você definitivamente deseja lista-lo.

Blog  Atrasos de produção: como eliminar

 

Possibilite rápida análise de dados

Muitos gestores sofrem com a falta de dados precisos para embasar decisões assertivas que impulsionem os resultados da fábrica. Daí a importância de contar com o auxílio de um software ERP para a geração e análise de dados. O sistema possibilita o acompanhamento do desempenho de cada processo da fábrica – com controle de tempo, pessoas, máquinas e materiais, por exemplo.

Além disso, é possível obter insights em tempo real e responder, de maneira proativa, aos possíveis problemas que ofereçam riscos reais ao desempenho do negócio e evitar os atrasos de produção. Como o ERP fornece diversos relatórios e garante a integridade dos dados gerados, validando-os com precisão e mantendo a consistência nas fontes, as decisões são tomadas de forma rápida e estrategica.

 

Aumente a produtividade ao evitar retrabalho e evitar atrasos de produção

Um problema recorrente nas indústrias, além dos atrasos de produção, é a dificuldade de comunicação entre os profissionais e seus departamentos. Tal cenário acarreta perda de detalhes importantes na execução dos processos de fabricação, o que invariavelmente compromete o desempenho geral da equipe, aumenta o número de erros, atrasa a entrega dos produtos e reduz a agilidade da empresa frente ao mercado.

Quando a comunicação entre as diversas equipes é garantida, o controle de requisição de desenvolvimento de produto, para citar um exemplo, pode integrar-se às áreas comerciais, de custos, qualidade, RH e compras, assegurando que todos tenham acesso às informações completas e estejam focados em objetivos comuns.

 

Produtividade dentro do Software

No que se refere à produção, o sistema ERP reúne funcionalidades valiosas para impulsionar as operações e otimizar recursos nesta parte do processo. O Areco ERP automatiza processos, elimina retrabalho e minimiza as chances de erro nas atividades cotidianas. No módulo de PCP (Planejamento e Controle de Produção), algumas das ferramentas de gestão encontradas são:

  • Controle de requisição de desenvolvimento de produto integrado às áreas comerciais, custos, qualidade e engenharia;
  • Criação de projetos dinâmicos de engenharia, incluindo processos, equipamentos, recursos humanos, tempo, métodos e materiais;
  • Controle de liberação, suspensão e revisão de projetos, preservando originais;
  • Ordem de Fabricação com possibilidade de manipular formulação, lotes e processos;
  • Cálculo online do custo real e custo estimado, com controle de tempo, pessoas, máquinas e materiais;
  • Apontamentos online.

Ao integrar departamentos e fornecer indicativos de desempenho, o Areco ERP garante transparência e segurança na tomada estratégica de decisões e evita o que abordamos no artigos: os atrasos de produção. O Areco ERP é multi-moedas, multi-empresas e multi-idiomas, reunindo uma gama ampla de relatórios, telas gerenciais, suporte à auditoria em todas as telas e direitos de acesso para cada perfil de usuário. As atualizações do software são automáticas e contemplam todas as Legislações Federais e Estaduais sem custos adicionais.

Fale agora mesmo com um consultor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *